Info

Consórcio Amorim/Vanguard conclui compra dos ativos da Herdade da Comporta

| País
Porto Canal com Lusa

Redação, 14 nov 2019 (Lusa) -- O consórcio Amorim/Vanguard conclui hoje a compra dos ativos da Herdade da Comporta à Gesfimo, depois da assinatura da escritura relativa à aquisição por 157,53 milhões de euros, anunciou em comunicado.

"O consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury adquiriu hoje à Gesfimo os ativos imobiliários do Fundo da Herdade da Comporta. Estes ativos, denominados Comporta Dunes e Comporta Links, totalizam cerca de 1.380 hectares de área de desenvolvimento e floresta", lê-se na nota de imprensa.

Segundo o comunicado, "fica, assim, concluído um longo trabalho de negociação e formalização do processo de aquisição que vai permitir o desenvolvimento de toda uma região, criando emprego, oferta turística de altíssima qualidade, tudo num contexto de respeito pela vida, pelos ecossistemas, e pela sustentabilidade futura".

Na mesma nota, o consórcio vencedor do processo detalha que "a escritura pública foi celebrada nas instalações da Deloitte Consultores, entidade que supervisionou o processo concursal iniciado em agosto de 2018".

A assinatura esteve marcada para 28 de outubro, mas acabou por ser adiada para hoje, segundo disse nessa altura fonte oficial à agência Lusa. O atraso esteve relacionado com o facto de estarem a ser "finalizados os procedimentos relacionados com as servidões administrativas", ou seja, limitações em favor de outras entidades, na região, salientou a mesma fonte.

A assembleia-geral de participantes da Herdade da Comporta aprovou em 27 de novembro do ano passado a venda dos ativos da propriedade ao consórcio Amorim/Vanguard. O preço final do negócio foi fixado em 157,526 milhões de euros.

"A aprovação pela assembleia-geral de participantes da venda dos ativos da Herdade da Comporta ao consórcio em que estamos, ao lado da Vanguard Properties, é um passo decisivo num longo processo em que nos envolvemos com empenho e sentido de responsabilidade", afirmou, na altura, em comunicado a empresária Paula Amorim, que integra o agrupamento.

Um mês antes, em 28 de outubro, a Gesfimo, entidade gestora da Herdade da Comporta, assinou um "contrato promessa de compra e venda" da propriedade com o consórcio Amorim/Vanguard.

Em novembro do ano passado, o consórcio Amorim/Vanguard anunciou, por sua vez, que iria investir mais de mil milhões de euros na Comporta, num prazo de 10 a 15 anos, segundo avançou à Lusa José Cardoso Botelho, 'managing director' da Vanguard Properties.

"Nos primeiros cinco anos temos um projeto de investimento na ordem dos 300 milhões de euros, mas o valor global ultrapassará em muito os mil milhões de euros", adiantou o gestor à Lusa.

José Cardoso Botelho explicou que "um projeto como este nunca durará menos do que 10 a 15 anos, é uma área muito grande, tem que ser feito paulatinamente e adaptado às necessidades".

O responsável pela área administrativa ('managing director') da Vanguard Properties disse ainda que "nos primeiros três anos haverá hotéis e condomínios, emprego e riqueza para a região", detalhando que, "em termos de construção, [o projeto] não empregará menos de mil pessoas, sendo o trabalho permanente, em cinco anos, de duas a três mil pessoas".

A Herdade, do universo Grupo Espírito Santo, estava à venda há vários anos.

ALYN // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Portugal com mais 11 mortos e mais 374 infetados por Covid-19 do que na quinta-feira

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infetados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, divulgou a Direção-Geral da Saúde (DGS). 

Covid-19: Próximo ano letivo vai ter mais tempo de aulas e menos férias

Os alunos vão ter mais dias de aulas e menos dias de férias no próximo ano letivo, anunciou hoje o ministro da Educação, confirmando que o regresso às escolas será presencial.

Operação Marquês: Juiz não marca ainda data da decisão instrutória devido a complexidade do processo

O juiz Ivo Rosa revelou hoje que não irá para já revelar a data da decisão instrutória da Operação Marquês devido à enorme complexidade e ao número de volumes que compõem o processo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.