Info

Consórcio Amorim/Vanguard conclui compra dos ativos da Herdade da Comporta

| País
Porto Canal com Lusa

Redação, 14 nov 2019 (Lusa) -- O consórcio Amorim/Vanguard conclui hoje a compra dos ativos da Herdade da Comporta à Gesfimo, depois da assinatura da escritura relativa à aquisição por 157,53 milhões de euros, anunciou em comunicado.

"O consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury adquiriu hoje à Gesfimo os ativos imobiliários do Fundo da Herdade da Comporta. Estes ativos, denominados Comporta Dunes e Comporta Links, totalizam cerca de 1.380 hectares de área de desenvolvimento e floresta", lê-se na nota de imprensa.

Segundo o comunicado, "fica, assim, concluído um longo trabalho de negociação e formalização do processo de aquisição que vai permitir o desenvolvimento de toda uma região, criando emprego, oferta turística de altíssima qualidade, tudo num contexto de respeito pela vida, pelos ecossistemas, e pela sustentabilidade futura".

Na mesma nota, o consórcio vencedor do processo detalha que "a escritura pública foi celebrada nas instalações da Deloitte Consultores, entidade que supervisionou o processo concursal iniciado em agosto de 2018".

A assinatura esteve marcada para 28 de outubro, mas acabou por ser adiada para hoje, segundo disse nessa altura fonte oficial à agência Lusa. O atraso esteve relacionado com o facto de estarem a ser "finalizados os procedimentos relacionados com as servidões administrativas", ou seja, limitações em favor de outras entidades, na região, salientou a mesma fonte.

A assembleia-geral de participantes da Herdade da Comporta aprovou em 27 de novembro do ano passado a venda dos ativos da propriedade ao consórcio Amorim/Vanguard. O preço final do negócio foi fixado em 157,526 milhões de euros.

"A aprovação pela assembleia-geral de participantes da venda dos ativos da Herdade da Comporta ao consórcio em que estamos, ao lado da Vanguard Properties, é um passo decisivo num longo processo em que nos envolvemos com empenho e sentido de responsabilidade", afirmou, na altura, em comunicado a empresária Paula Amorim, que integra o agrupamento.

Um mês antes, em 28 de outubro, a Gesfimo, entidade gestora da Herdade da Comporta, assinou um "contrato promessa de compra e venda" da propriedade com o consórcio Amorim/Vanguard.

Em novembro do ano passado, o consórcio Amorim/Vanguard anunciou, por sua vez, que iria investir mais de mil milhões de euros na Comporta, num prazo de 10 a 15 anos, segundo avançou à Lusa José Cardoso Botelho, 'managing director' da Vanguard Properties.

"Nos primeiros cinco anos temos um projeto de investimento na ordem dos 300 milhões de euros, mas o valor global ultrapassará em muito os mil milhões de euros", adiantou o gestor à Lusa.

José Cardoso Botelho explicou que "um projeto como este nunca durará menos do que 10 a 15 anos, é uma área muito grande, tem que ser feito paulatinamente e adaptado às necessidades".

O responsável pela área administrativa ('managing director') da Vanguard Properties disse ainda que "nos primeiros três anos haverá hotéis e condomínios, emprego e riqueza para a região", detalhando que, "em termos de construção, [o projeto] não empregará menos de mil pessoas, sendo o trabalho permanente, em cinco anos, de duas a três mil pessoas".

A Herdade, do universo Grupo Espírito Santo, estava à venda há vários anos.

ALYN // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Santa Maria da Feira volta a receber a magia do natal com o parque Perlim

A magia do Perlim chegou para mais um natal e trouxe até Santa Maria da Feira famílias portuguesas e espanholas. Esta edição do maior parque temático de natal do país vai estar aberto até ao início do próximo ano.

Autarcas de Tondela acusados de peculato e falsificação de documento

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, e o seu vice-presidente, Pedro Adão, foram acusados pelo Ministério Público (MP) dos crimes de peculato e falsificação de documento, que terão ocorrido entre 2010 a 2017.

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.