Info

Compositor Luís Tinoco distinguido com prémio DSCH--Schostakovich Ensemble

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov 2019 (Lusa) -- O compositor Luís Tinoco, de 50 anos, foi distinguido com o Prémio de Composição DSCH--Schostakovich Ensemble, na sua primeira edição, sendo "reconhecido nacional e internacionalmente como um dos compositores portugueses mais relevantes da atualidade", divulgou a entidade promotora.

O prémio, o "único em Portugal que distingue a carreira de um compositor", inclui a encomenda de uma peça musical, disse à agência Lusa o pianista Filipe Pinto-Ribeiro, diretor artístico do DSCH -- Schostakovich Ensemble.

O pianista afirmou que é intenção do DSCH, "ao longo dos próximos anos, ir dando destaque aos grandes compositores portugueses e ir criando um repertório de excelência nos concertos em Portugal e fora de Portugal".

O prémio visa ainda "reconhecer, incentivar e divulgar a criação musical contemporânea portuguesa", disse o pianista, referindo que o DSCH--Schostakovich Ensemble, ao longo dos seus 13 anos, tem "tocado várias obras de compositores contemporâneos portugueses e tem estreado, fora de Portugal, obras de Vianna da Motta, Armando José Fernandes, Fernando Lopes-Graça".

A entrega do prémio será feita no próximo dia 28, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, num concerto, em que será estreada "Alepo", a obra resultante da encomenda a Luís Tinoco.

"Alepo" é uma composição que "cruza diversas fontes musicais, e o compositor debruçou-se o sobre músicas do Médio Oriente, não só melodias árabes, mas também sobre cores e sonoridades que procura trazer para os instrumentos clássicos", explicou Pinto-Ribeiro.

"Cruzamentos é, aliás, o tema do concerto de atribuição do prémio, que se intitula 'Crossings', que vai buscar, precisamente, cruzamentos entre a música clássica e outras linguagens como o jazz e a música popular", afirma Pinto-Ribeiro.

"Luís [Tinoco] pensou também na ideia do cruzamento propriamente dito, neste caso do mar Mediterrâneo -- pessoas fugindo aos conflitos e às adversidades. Começou a imaginar a sua angústia e criou um lamento musical, que, com certeza, percorre todos aqueles que buscam terra firme e paz", prosseguiu o pianista.

"Muitas das vezes partem sem nada, apenas as suas memórias e, de um modo poético, podem lembrar-se das músicas das suas terras que ficaram para trás".

Luís Tinoco tem a sua música publicada pela University of York Music Press, do Reino Unido, e disponível em álbuns editados pelas etiquetas Odradek, Naxos e Lorelt, entre outras.

Tinoco licenciou-se na Escola Superior de Música de Lisboa e completou um Mestrado na Royal Academy of Music, em Londres, e um Doutoramento na Universidade de York, no Reino Unido.

Desde 2000, o compositor colabora com a Antena 2/RTP como autor de programas radiofónicos sobre a música dos séculos XX e XXI. Para a mesma emissora é responsável pela direcção artística do Prémio e Festival Jovens Músicos. É professor na Escola Superior de Música de Lisboa.

Em 2016 obteve o título de Associate of the Royal Academy of Music e, na temporada de 2017/2018, foi Artista Associado da Casa da Música e Compositor Residente no Teatro Nacional de S.Carlos, respetivamente. Como compositor, o seu catálogo inclui obras para música de câmara, orquestra e de cena.

O concerto do dia 28 intitula-se "Crossings: Clássica, Folk & Jazz", e inclui obras de Stravinsky, Gershwin, Bartók e Poulenc.

NL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Desagravamento da seca no continente em novembro, Algarve mantém seca extrema

Portugal continental registou em novembro um desagravamento da seca meteorológica, mas no sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Estudo aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto que aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso. A dimensão dos municípios, a falta de financiamento adequado e os prazos demasiado curtos são os aspetos que levam a concluir que o modelo de descentralização não é bom para o País.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.