Info

Tráfego na Brisa Concessão Rodoviária aumentou 4,1% até setembro

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 nov 2019 (Lusa) -- O tráfego na Brisa Concessão Rodoviária aumentou 4,1% nos primeiros nove meses deste ano, tendo ultrapassado o "máximo histórico" nos meses de verão, segundo informação enviada hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Brisa informa em comunicado que o aumento de 4,1% no tráfego até setembro foi "suportado por um crescimento orgânico de 4,7%" e, "durante os meses de verão, o tráfego ultrapassou o seu máximo histórico", com um crescimento orgânico de 2,9%.

De acordo com a empresa, o tráfego foi "negativamente influenciado" por vários fatores, nomeadamente, efeito de calendário, greve dos motoristas de veículos pesados, em agosto, e interrupção de tráfego na A1 em setembro, devido a fogos florestais na região.

No conjunto, o impacto destes fatores foi negativo em 1,4%, informa a empresa.

No segundo trimestre, o crescimento do tráfego tinha sido de 6,3%, após o aumento de 5,6% nos primeiros três meses do ano.

No documento enviado à CMVM, a Brisa revela ainda que todas as autoestradas registaram um crescimento positivo de TMD [Tráfego Médio Diário] nos primeiros nove meses do ano, "conforme se tem verificado nos últimos anos".

O TMD nos primeiros nove meses deste ano foi de 25.916 veículos, de acordo com a concessionária, um valor superior aos 25.530 veículos registados em igual período de 2018.

Do total do tráfego contabilizado, 94,4% foi de veículos ligeiros e 5,6% de pesados. Em termos de evolução, os pesados cresceram mais, 6%, enquanto os ligeiros aumentaram 4% em TMD no período em análise.

A A1 é a concessão que mais peso tem na circulação da Brisa, com 45% do total, seguida da A2, com 18,5%.

ECR // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Ministro das Infraestruturas afirma que se acordo sobre cargas e descargas "não funcionar o Governo vai ter que intervir"

O ministro das Infraestruturas deixa claro que se o acordo assinado entre Governo, patrões e sindicatos para regular as operações de cargas e descargas não funcionar, o Governo vai mesmo intervir. Pedro Nuno Santos destaca que caso mais grave é o da grande distribuição.

Mais de 100 autarquias vão ter que devolver IMI dos parques eólico e município de Montalgre pede alternativa para cobrir perdas

O presidente da Câmara de Montalegre voltou a lamentar a decisão dos tribunais que consideraram ser cobrança indevida do Imposto Municipal Sobre Imóveis aos parques eólico. A situação vai obrigar as autarquias a devolver o dinheiro até agora recebido o que significa um grande corte no orçamento.

 

Trabalhadores precários manifestaram-se no Porto por aumentos salariais

Esta sexta-feira de manhã houve no Porto um protesto contra a precariedade dos trabalhadores das empresas do comércio que contou com o apoio da CGTP.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.