ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Manifestantes impedem abate de árvore classificada na Figueira da Foz

| País
Porto Canal com Lusa

Figueira da Foz, Coimbra, 13 nov 2019 (Lusa) - Três manifestantes sentados num freixo classificado com cerca de 300 anos, na Figueira da Foz, impediram, ao longo da manhã de hoje, o abate da árvore, que está em perigo de queda, constatou a agência Lusa no local.

As três pessoas, duas mulheres e um homem, subiram à árvore pouco depois das 08:00 de hoje e perto das 12:00 mantinham-se no local, já depois de identificados pela PSP.

Argumentaram que só saem se o presidente do município ali se deslocar para falar com eles, sobre a decisão de abater o freixo, classificado como de interesse público.

Cerca das 10:00, a Câmara Municipal - que tinha anunciado para hoje a operação de abate, com corte ao trânsito das ruas circundantes ao chamado Páteo de Santo António - deslocou para o local uma dezena de funcionários e técnicos e maquinaria pesada.

Estes meios continuam parados nas imediações do freixo, que está dentro de um perímetro de segurança, rodeado por uma rede separadora, no interior da qual se mantêm sete pessoas, três das quais em cima da árvore.

Pouco depois das 11:00, um agente da PSP abordou os três contestatários, começando por afirmar que a árvore não iria ser abatida hoje, informação que contraria a que foi divulgada por aquela autarquia do distrito de Coimbra e desmentida pelos meios técnicos presentes - uma viatura com braço telescópico, uma retroescavadora e um camião, para além dos referidos funcionários.

Antes, em conversa com os responsáveis camarários, a PSP manifestou a intenção de resolver a questão pelo diálogo "com cordialidade" e sem recurso à força. Os agentes policiais presentes interpelaram os manifestantes, argumentando que a sua segurança podia estar em causa, mas não chegaram a dar uma ordem efetiva de abandono do local, limitando-se a identificar as três pessoas que estão em cima da árvore.

Uma mulher respondeu que a árvore "está viva" e que "não tem medo que ela caia". Os manifestantes agradeceram a "preocupação" da PSP, mas alegaram que a sua segurança "não está em causa" e que as grades que rodeiam o freixo não possuem "qualquer aviso de perigo de queda" ou proibição de transpor a proteção.

À Lusa, o presidente da autarquia da Figueira da Foz, Carlos Monteiro (PS), relembrou que a decisão de cortar o freixo está "devidamente sustentada" por pareceres e avaliações técnicas - o último dos quais recomendava o abate por "risco severo de fratura"- e mereceu a concordância do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

Sobre a situação em concreto do protesto, o autarca lembrou que a questão do abate foi debatida em reunião pública do executivo e argumentou que não vai deslocar-se ao local para falar com os manifestantes que estão empoleirados na árvore, como estes reclamam.

Carlos Monteiro remeteu para a PSP a resolução do protesto, frisando que cabe às autoridades policiais "tomarem uma decisão" e permitirem o trabalho dos meios camarários.

"Nós agendámos o corte para hoje por questões de segurança, porque a partir da noite e durante o dia de amanhã [quinta-feira] há previsão de mau tempo com ventos fortes e é um risco", assinalou ainda Carlos Monteiro.

JLS // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Covid-19: Portugal com mais seis mortes e 325 novos casos nas últimas 24 horas

 Portugal regista hoje mais seis mortes por covid-19 e 325 novos casos de infeção em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Escolas podem recuperar matérias durante todo o ano lectivo

As escolas devem optar por recuperar ao longo de todo o próximo ano letivo as aprendizagens perdidas pelos alunos durante o ensino à distância iniciado em março desde ano por causa da pandemia de covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.