Info

OCDE recomenda mudanças nos medicamentos para evitar contaminação de águas

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 nov 2019 (Lusa) - A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) recomendou hoje mudanças no fabrico e prescrição de medicamentos para tentar controlar a disseminação de fármacos nas águas residuais, com efeitos negativos para o ambiente e para a saúde.

"Cerca de dois mil ingredientes farmacêuticos ativos são administrados em todo o mundo em medicamentos de receita médica, de venda livre ou em medicamentos veterinários", refere a OCDE num relatório publicado hoje, apontando que os resíduos de fármacos são "uma preocupação ambiental crescente".

Os resíduos dos medicamentos vão parar às águas superficiais e subterrâneas e acabam no solo, na água potável e na cadeia alimentar, por causa de "águas residuais domésticas não tratadas e efluentes de estações de tratamento de águas residuais municipais".

"A utilização excessiva e libertação de antibióticos na água agrava o problema da resistência microbiana, declarada pela Organização Mundial de Saúde como uma crise de saúde global e urgente, que se prevê vir a causar mais mortes do que o cancro em 2050", refere a OCDE.

Mesmo em concentrações baixas, os fármacos interagem com os ecossistemas e têm consequências: os contracetivos orais provocam a feminização dos peixes e anfíbios, drogas psiquiátricas como a fluoxetina - antidepressivo - tornam os peixes mais imprudentes e vulneráveis aos predadores.

A OCDE recomenda critérios ambientais mais apertados nas autorizações dadas a medicamentos de alto risco ambiental, planos de segurança da água para consumo humano que incluam o controlo da presença de fármacos e mecanismos de deteção na água para prevenir contaminações.

Recomenda ainda que se reduza "o uso e libertação de fármacos", melhorando o diagnóstico e adiando a prescrição quando não sejam necessários, ou mesmo proibindo ou restringindo o uso preventivo de antibióticos.

No relatório recomenda-se ainda a restrição do uso de hormonas de crescimento na criação de gado e aquacultura e combate à venda ilegal de medicamentos e à automedicação com farmacêuticos de elevado risco ambiental, como antibióticos e outros que agem no sistema endócrino.

A OCDE defende que deve ser garantida "a recolha apropriada de resíduos de medicamentos", abordando profissionais de saúde, veterinários, consumidores e agricultores.

"Não há um responsável único pelos poluentes farmacêuticos que chegam às águas", salienta a OCDE, que recomenda o envolvimento da administração local e central dos setores do ambiente, agricultura, saúde e segurança.

Em França, na Alemanha, na Holanda, na Suécia e no Reino Unido, já há mecanismos para pôr todos estes setores em contacto para enfrentar o "desafio farmacêutico".

Medidas de prevenção adotadas no princípio do ciclo de vida do medicamento "poderão ter os benefícios mais alargados, eficazes e prolongados", defende a OCDE no relatório.

APN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: País

Desagravamento da seca no continente em novembro, Algarve mantém seca extrema

Portugal continental registou em novembro um desagravamento da seca meteorológica, mas no sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Estudo aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto que aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso. A dimensão dos municípios, a falta de financiamento adequado e os prazos demasiado curtos são os aspetos que levam a concluir que o modelo de descentralização não é bom para o País.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.