Info

Descarga poluente em praia de Matosinhos veio da refinaria e deveu-se a uma "anomalia"

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 08 nov (Lusa) -- A descarga de produtos poluentes na Praia do Aterro, em Matosinhos, a 26 de outubro, teve origem na refinaria da Galp e deveu-se a uma "anomalia" confirmou a empresa à câmara local, depois de esta ter pedido explicações.

"A Galp confirmou que, devido às condições meteorológicas adversas verificadas nesse dia [26 de outubro], o sistema de águas residuais misturou-se com o sistema de águas pluviais", adiantou a autarquia, depois de questionada pela Lusa.

A 28 de outubro, a presidente da câmara, Luísa Salgueiro (PS), revelou, durante a reunião do executivo municipal, ter pedido esclarecimentos à Galp pela "descarga de produtos poluentes de hidrocarbonetos", repudiando a situação e exigindo o apuramento dos responsáveis.

"Não é aceitável que uma situação destas volte a acontecer", considerou, na altura.

Segundo a câmara, a Galp garantiu que a "anomalia foi detetada e resolvida", recordando que o assunto foi reportado à Polícia Marítima.

Na altura, a Lusa pediu esclarecimentos à Galp e à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), mas nunca obteve resposta.

SVF // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Estudante da CESPU infetada com Covid-19 leva quarenta alunos a ficar em quarentena

Uma aluna da CESPU, em Gandra, Paredes, testou positivo ao novo coronavirus e levou a que 40 estudantes que tiveram em contacto indiretamente estejam em quarentena.

Incendio em Famalicão consumiu parte de fábrica, dois camiões e está em fase de rescaldo

Um incêndio industrial em Ribeirão, no concelho de Famalicão, distrito de Braga, consumiu este domingo parte de uma unidade fabril e dois camiões que estavam no exterior da fábrica, e está em “fase de rescaldo”, apurou o Porto Canal no local.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.