Info

Operação Éter: Fechadas cinco linhas de investigação com 29 acusados por 150 crimes

Operação Éter: Fechadas cinco linhas de investigação com 29 acusados por 150 crimes
| Política
Porto Canal com Lusa

O despacho de acusação da 12.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto relativo ao processo Ėter imputa um total de 150 crimes a 29 arguidos (21 singulares e oito coletivos).

O mais visado é o ex-presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Melchior Moreira, o único arguido que foi preso preventivamente, com 38 crimes.

A matéria em causa no processo reporta-se a cinco linhas de investigação sobre o TPNP, estando em causa, entre o mais, os procedimentos de contratação de pessoal e de aquisição de bens, a utilização de meios da entidade para fins pessoais e o apoio prestado a clubes de futebol - a um como contrapartida de favores pessoais ao presidente da entidade regional de turismo e a outro como meio de promoção de Melchior Moreira no meio futebolístico.

Estão ainda em causa o recebimento indevido de ajudas de custo e o recebimento de ofertas provenientes de operadores económicos.

Em inquéritos que o DIAP decidiu autonomizar, está a ser aprofundada, entretanto, a investigação de outras vertentes do processo Éter, nomeadamente a relativa às Lojas Interativas da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), envolvendo autarcas do Norte e Centro, e a relacionada com a alegada utilização de verbas destinadas a publicitar o Rally de Portugal em publicidade de cariz diferente e eventuais crimes de prevaricação envolvendo o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques e outros membros da autarquia.

Arguidos singulares e crimes imputados a cada um

- Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) de 2009 a janeiro de 2019, residente em Lamego, 38 crimes: participação económica em negócio (12), peculato (3), peculato de uso (3), abuso de poder (9), corrupção passiva (1), falsificação de documentos (7), recebimento indevido de vantagem (3).

- Isabel Castro, diretora operacional do TPNP de 01 de dezembro de 2010 a 09 de fevereiro de 2019, Matosinhos, 22 crimes: peculato (2), peculato de uso (2), participação económica em negócio (8), abuso de poder (8), falsificação de documentos (2).

- Jorge Magalhães, vice-presidente do TPNP de agosto de 2013 a fevereiro de 2019, Lousada, sete crimes: participação económica em negócio (3), abuso de poder (1), falsificação de documentos (1), peculato (1) e peculato de uso (1).

- Joaquim Ribeiro, membro da Comissão Executiva do TPNP no quinquénio 2013-2018, Matosinhos, três crimes: participação económica em negócio (2) e abuso de poder (1).

- Gabriela Escobar, diretora do Núcleo de Gestão de Recursos Humanos, Qualidade, Financeiro e Jurídico do TPNP, Porto, 18 crimes: participação económica em negócio (11), abuso de poder (3) e falsificação de documentos (4).

- Raquel Almeida, diretora do Departamento de Administração Geral, Qualidade, Financeiro e Jurídico do TPNP desde 15 de abril de 2016, Maia, seis crimes: participação económica em negócio (2) e falsificação de documentos (4).

- Cristina Mendes, técnica superior no TPNP, Viana do Castelo, oito crimes: participação económica em negócio (7) e abuso de poder (1).

- Paulo Carrança, coordenador do Gabinete de Empreendedorismo e Projetos/Gabinete de Apoio ao Empresário, Viana do Castelo, cinco crimes: falsificação de documentos (2), participação económica em negócio (1) e abuso de poder (2).

- Luís Pinto, administrador de empresas, Vila Nova de Gaia, um crime: participação económica em negócio.

- Júlio Mendes, gestor, Braga, dois crimes: corrupção ativa (1) e falsificação de documentos (1).

- António Salvador, empresário, Braga, um crime: falsificação de documentos.

- Hernâni Portovedo, economista, Braga, um crime: falsificação de documentos.

- Margarida Coutinho, diretora geral, Marco de Canaveses, um crime: falsificação de documentos.

- Manuel Coutinho, empresário, Marco de Canaveses, um crime: falsificação de documentos.

- Helena Palminha, gestora, Cascais, um crime: recebimento indevido de vantagem.

- Joaquim Palminha, engenheiro, Oeiras: recebimento indevido de vantagem.

- José Agostinho, empresário, Viseu, dois crimes: recebimento indevido de vantagem (2).

- Augusto Rego, construtor civil, Vila Nova de Famalicão, um crime: falsificação de documentos.

- Manuela Couto, empresária, Matosinhos, 18 crimes: participação económica em negócio (8), falsificação de documentos (2) e abuso de poder (8).

- Fernando Moreira, empresário, Matosinhos, dois crimes: participação económica em negócio (2).

- Nuno Moreira, comercial, Matosinhos, um crime: participação económica em negócio.

Arguidos coletivos e crimes

- Vitória Sport Clube, Guimarães, um crime: falsificação de documentos.

- Sporting Clube de Braga, um crime: falsificação de documentos.

- M. Coutinho Motors I – Comércio de Automóveis, SA, um crime: falsificação de documentos.

- Conforhotéis – Gestão de Hotéis, Lda., Albufeira, um crime: recebimento indevido de vantagem.

- GCMH – Atividades Hoteleiras, Lda., Oeiras, um crime: recebimento indevido de vantagem.

- Take Média, Produções Multimédia e Audiovisuais, Lda., Viseu, dois crimes: recebimento indevido de vantagem (2).

- Regocib, Construções e Imobiliário, Lda., Vila Nova de Famalicão, um crime: falsificação de documentos.

- WGC Communication, Matosinhos, dois crimes: falsificação de documentos (2).

Crimes imputados por linhas de investigação

- Relacionados com ofertas públicas de emprego, 15 crimes;

- Relações com o Futebol, 19;

- Contratos de veículos, 11;

- Ajudas de custo/fundo de maneio, seis;

- iPad, um;

- Férias no Algarve, cinco;

- Gravação de Jogos Afonso, seis;

- Contratos de móveis, cinco;

- Relações com a sociedade da arguida Manuela Couto, 82.

Crimes pelo catálogo do Código Penal

- Participação económica em negócio, 58;

- Peculato de uso, seis;

- Peculato, seis;

- Abuso de poder, 33;

- Corrupção passiva, um;

- Corrupção ativa, um;

- Falsificação de documentos, 34;

- Recebimento indevido de vantagem, 11.

Vantagens patrimoniais alegadamente obtidas e que o Ministério Público quer que sejam declaradas perdidas a favor do Estado

- Melchior Moreira, 129.319,00 euros;

- Isabel Castro, 2.953,53 euros

- Jorge Magalhães, 4.458,77 euros, pelo menos;

- Luís Pinto, 1.971,19 euros;

- Júlio Mendes (juntamente com o Vitória Sport Clube, de Guimarães, e solidariamente com Melchior Moreira), 88.850,73 euros;

- Manuela Couto, 235.093,03 euros;

- Quatro sociedades, solidariamente com a arguida Manuela Couto, total de 180.503,03 euros.

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa não responde a Moreira e Medina mas adverte que quem quer a Regionalização não deve precipitar-se

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, advertiu esta quinta-feira que quem quer a regionalização do país não deve precipitar-se, considerando que "é preciso não cometer erros de percurso".

Rui Moreira defende que o país deve avançar com o processo de Regionalização o quanto antes

Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, defendeu esta terça-feira que o país deve avançar para um processo de Regionalização o quanto antes. O presidente da Câmara Municipal do Porto rejeita a necessidade de um referendo ao contrário do que defende o Presidente da República.

Fernando Medina defende que a Regionalização é o processo mais benéfico para o país

Fernando Medina defende que a Regionalização é o processo que mais beneficiava o país. Até lá quer o reforço de competências das áreas metropolitanas e uma descentralização à medida de cada município.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.