Info

Batalha pelo nome de pavilhão "vai durar vários anos" - companheiro de Rosa Mota

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 28 out 2019 (Lusa) - O ex-treinador e companheiro de Rosa Mota disse hoje estar a preparar-se para "uma batalha que vai durante vários anos" pela defesa do nome do Pavilhão Rosa Mota, hoje inaugurado, no Porto, sob a designação de Super Bock Arena.

"O desabafo que faço é que estou a preparar-me para uma batalha que vai durar vários anos", afirmou em declarações à Lusa, José Pedroso, que se escusou a tecer qualquer outra declaração.

Segundo a TSF, numa carta dirigida à Câmara do Porto, Rosa Mota diz sentir-se enganada e alega que o seu nome foi subalternizado para ser dado destaque a uma marca de bebidas alcoólicas.

O local, agora intitulado "Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota", foi inaugurado hoje sem a presença da atleta e dos vereadores do PS, PSD e CDU que não se conformam com a "menorização" do nome da campeã olímpica.

Na cerimónia de inauguração do espaço, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, passou praticamente ao lado da polémica sobre a nova denominação do pavilhão Rosa Mota, tendo, na única vez que falou sobre o tema, recuperado apenas a relação histórica da cidade com o vinho.

"Não me venham com complexos por haver um nome associado a bebidas alcoólicas [na nova denominação do pavilhão que passou a chamar-se Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota]", argumentou o autarca, enfatizando o facto de antes de haver um Porto conhecido pelo desporto e pela cultura, "já o era devido ao Vinho do Porto".

E acrescentou: "hoje não é dia de queixas, mas de estarmos muito satisfeitos".

Antes, na reunião do executivo desta manhã, Moreira afirmava que considerava que o "incómodo" existente com a nova denominação é com o logótipo, sublinhando que autarquia não tem meios, nem recursos para se opor.

Na altura, o presidente referiu que a atleta manteve reuniões com a Super Bock, as quais a autarquia foi alheia, uma vez que o contrato que existe é com o concessionário.

O independente sublinhou ainda que a proposta do nome fazia parte do caderno de encargos, pelo que era legítimo ao concessionário propor a sua alteração, e lembrou que a primeira designação proposta foi recusada porque fazia desaparecer o nome "Pavilhão Rosa Mota".

Também o Bloco de Esquerda disse estar contra a alteração do nome do Pavilhão Rosa Mota, tendo desafiado a Câmara do Porto a promover uma discussão alargada para o regresso daquele equipamento à esfera pública e municipal.

Em comunicado, a Comissão Coordenadora Concelhia do Bloco de Esquerda - Porto, quer "reverter de imediato esta apropriação indevida, impedindo a alteração do nome daquele que é e será, para o Porto, o Pavilhão Rosa Mota" ao mesmo tempo que pretende uma "discussão alargada na cidade que permita a renegociação do contrato e seu regresso à esfera pública e municipal".

Lembrando ter estado "contra a entrega do Palácio de Cristal a entidades privadas pela mão de Rui Rio, em 2009, a par do movimento que na altura se gerou no Porto" e que em 2014 "denunciaram na Assembleia Municipal o modelo de reabilitação deste equipamento municipal essencial à cidade, votando contra a proposta de entrega a privados apresentada por Rui Moreira", o BE aponta para as contas do município para justificar a sua posição.

VSYM (JFO) // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Águas do Porto alerta para fraude em nome da empresa

Os clientes da empresa municipal Águas do Porto estão a receber alertas para situações de fraude que têm sido praticadas por vários indivíduos cque, apresentando falsas credenciais da empresa, estão a abordar os seus clientes e a solicitar ilicitamente pagamentos em numerário, com o pretexto de se tratar de correções de faturação.

Alunos na escola Rodrigues de Freitas contra falta de funcionários e exames nacionais

Um grupo de alunos manifestou-se hoje frente à Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto, para sensibilizar a opinião pública e o Governo para a falta de funcionários, a sobrecarga horária e pelo fim dos exames nacionais.

Nove feridos em despiste de carrinha com trabalhadores em Marco de Canaveses

Um acidente de viação provocou hoje nove feridos ligeiros, em Constance, Marco de Canaveses, todos trabalhadores de construção civil que seguiam numa viatura que se despistou, segundo os bombeiros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.