Info

Portugal Fashion: Edição recebeu 44 mil visitantes e promessa de "apoio sólido" do Governo no setor

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 27 out 2019 (Lusa) -- O Portugal Fashion terminou este sábado, após receber quase 44 mil visitantes nos quatro dias, com o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor a prometer a "continuação de um apoio sólido" ao setor.

A organização do 45.º Portugal Fashion avançou à agência Lusa que esta edição recebeu perto de 44 mil visitantes nos quatro dias do evento de moda, um número que supera o da última edição, que registou cerca de 37 mil pessoas em quatro dias.

O último dia da Semana da Moda do Porto arrancou no seu 'quartel general', na Alfândega do Porto com as coleções das estilistas portuguesas Alexandra Moura e Susana Bettencourt, inspiradas nos bacalhoeiros e no "síndrome do pensamento acelerado", respetivamente, e encerrou com a nova coleção da dupla Alves/Gonçalves que trouxe à passarela uma "atmosfera mais íntima e 'underground'".

Depois de fazer parte do calendário oficial da Semana da Moda de Milão (em fevereiro passado), Alexandra Moura apresentou a sua coleção "Gadidae", composta por 40 coordenados inspirados na "dureza" da vida dos pescadores e no lado "romântico e delicado" de quem fica em terra.

À Lusa, a estilista adiantou que, na sua coleção, o contraste da história de "quem vai" (pescadores) e "quem vê partir" (as suas mulheres) foi conseguido através da escolha dos próprios tecidos, alternando materiais mais "pesados e rudes" com "roupa feminina mais leve e quase considerada interior".

Já a 'designer' Susana Bettencourt não deixou a passarela indiferente à sua coleção verão/inverno "Super Humano - Hora de Mudar", coleção que a estilista "guardou em segredo" e que, composta por 40 coordenados, pretende honrar todos os que vivem "nesta era que é de mudança".

"É um alerta e chamada de atenção de que é preciso criar mecanismos na escola e em casa, e principalmente para os adolescentes", salientou Susana Bettencourt, adiantando que nesta coleção decidiu conjugar o símbolo do tempo (relógio) com o "novo super-humano em processo".

Pela sala principal da Alfândega do Porto desfilaram também coleções de criança, a marca Meam, Pedro Pedro for Galp, Concreto e o setor do calçado e carteiras, com marcas como a Fly London, Rufel, Eureka e Nobrand no 'lineup' e Maria Gambina.

Mas foi numa "atmosfera mais íntima e 'underground'", criada pela dupla portuguesa Alves/Gonçalves para apresentar a sua coleção para a próxima estação quente, que o 45.º Portugal Fashion encerrou portas.

Com o intuito de seguir o caminho trilhado "em direção a um 'streetstyle sofisticado'", os estilistas apresentaram 40 coordenados com novas formas e texturas, com destaque para os vestidos voluptuosos e peças modernas.

"A obrigação de um 'designer' de moda é apontar novas direções (...). Seguimos um vestuário que alinha numa ótica da modernidade, desconstrução e, ao mesmo tempo, extremamente sofisticado", afirmou Manuel Alves.

Também presente na Alfândega do Porto esteve o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, que, em declarações à Lusa, afirmou que o setor continuará a "merecer um apoio sólido e muito consciente" por parte do Governo.

"É sempre possível fazer mais e melhor. Estamos muito empenhados em ajudar cada vez mais, através de múltiplas valências, os operadores económicos que querem exportar", admitiu.

O Portugal Fashion, evento de moda organizado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), é cofinanciado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 -- Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

SPYC // JMC

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Diretor Nacional da Polícia Judiciária garante morte de Luís Giovani não foi um crime racial

O Diretor Nacional da Polícia Judiciária garantiu, em conferência de imprensa na manhã desta sexta-feira, que a morte do jovem cabo-verdiano Luís Giovani não se tratou de um crime racial, mas de um homicídio violento que teve por base motivos fúteis.

Câmara de Lisboa compra imóveis ao Estado abaixo do valor de mercado e à autarquia do Porto exigem valor três vezes acima 

Há dois anos, a Câmara Municipal do Porto tentou comprar imóvel devoluto, o antigo lar da mendicidade nas Fontaínhas, mas o Estado pediu verba três vezes acima do valor de mercado. Contrariamente ao que aconteceu esta semana em que a Câmara de Lisboa adquiriu onze imóveis a preço abaixo do valor de mercado para arrendamento acessível, lesando o Estado em 3,5 milhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas.

Cinco suspeitos detios pela morte de jovem em Bragança

Foram detidos cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos, suspeitos da morte do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, de acordo com comunicado da Polícia Judiciária enviado à redação do Porto Canal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.