Info

Ministério Público acusou 21 pessoas no âmbito do Processo Éter

| País
Porto Canal com Lusa

O Ministério Público acusou 21 pessoas singulares e oito coletivas, entre as quais o ex-presidente do Turismo do Porto e Norte, de crimes de participação económica em negócio, corrupção, peculato, recebimento indevido de vantagem, abuso de poder e falsificação.

Na sua página na Internet, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto esclarece hoje, relativamente a esta operação que ficou conhecida como Éter, que “oito daqueles arguidos desempenhavam funções de relevo na Turismo do Porto e Norte de Portugal, Entidade Regional”, referindo o presidente, Melchior Moreira, a vice-presidente, a diretora de departamento operacional, um membro da comissão executiva, a diretora de núcleo, a diretora de departamento, uma técnica superior e um coordenador de gabinete.

Relativamente a estes oito arguidos que exerciam funções na entidade, o Ministério Público “imputou a sete o crime de participação económica em negócio e o crime de abuso de poder, a seis o de falsificação, a três o de peculato e de peculato de uso e a um o de recebimento indevido de vantagem e de corrupção passiva”.

De acordo com o Ministério Público estão em causa, entre outros, “os procedimentos de contratação de pessoal e de aquisição de bens, a utilização de meios da entidade para fins pessoais, o apoio prestado a clubes de futebol - a um como contrapartida de favores pessoais ao presidente da referida entidade estatal e a outro como meio de autopromoção pessoal deste no meio futebolístico - o recebimento indevido de ajudas de custo e o recebimento de ofertas provenientes de operadores económicos”.

Os restantes arguidos estão acusados dos crimes de participação económica em negócio (quatro), corrupção ativa (um) falsificação (onze) e recebimento indevido de vantagem (cinco).

Estão também em causa nesta investigação adjudicações diretas que cerca de 60 autarquias fizeram na instalação de lojas de turismo interativas, financiadas pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal, e que foram atribuídas a empresas indicadas por Melchior Moreira.

No âmbito da operação Éter foram ainda constituídos arguidos Isabel Castro, ex-diretora operacional da TPNP, Gabriela Escobar, ex-jurista daquela entidade turística, Manuela Couto, administradora da agência de comunicação W Global Communication (antiga Mediana), e José Agostinho, da firma de Viseu Tomi World.

Melchior Moreira tinha sido reeleito a 04 de junho de 2018 para o seu quinto e último mandato na TPNP com 98,36% dos votos para o cargo que exercia desde 2008.

+ notícias: País

Incêndio em Cinfães provocou seis desalojados

Seis pessoas ficaram hoje desalojadas na sequência de um incêndio que deflagrou numa carpintaria na localidade de Souselo, concelho de Cinfães, e que destruiu parcialmente uma habitação contígua, disse fonte da proteção civil.

Juiz benfiquista vai continuar no caso dos 'emails'

O juíz que pediu escusa do processo dos 'emails' por assumir ser benfiquista vai continuar no caso. Tudo porque o presidente do Tribunal da Relação do Porto não aceitou o pedido de escusa do juiz Eduardo Rodrigues Pires por considerar que o facto de o magistrado ser adepto e sócio bem como acionista do Benfica não interfere com a isenção e imparcialidade da função que exerce.

Diretor da private banking do EuroBic encontrado morto em casa em Lisboa

O diretor da private banking do EuroBic e gestor da conta da Sonangol, Nuno Ribeiro da Cunha, foi encontrado morto na quarta-feira à noite na casa onde residia no Restelo, em Lisboa, disse hoje à Lusa fonte da PSP.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Viagens e Baratas - Marraquexe