Info

Eleiçôes: Emigrantes contra anulação de votos e exigem inquérito à votação

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 out 2019 (Lusa) -- O movimento Também somos portugueses e o Comité Cívico Português do Reino Unido exigem um inquérito à forma como decorreram as legislativas, criticando a anulação dos votos dos emigrantes.

A percentagem de votos dos emigrantes nulos (22,33%) foi uma das surpresas da contagem dos votos dos emigrantes, concluída quinta-feira.

Foram anulados 35.331 boletins, de um total de 158.252 boletins recebidos de emigrantes portugueses.

"Como se pode, em simultâneo, lamentar a abstenção e ter um sistema eleitoral em que 22 % dos votos são anulados por razões técnicas?" - questionam os dois movimentos.

Para o movimento Também somos portugueses e o Comité Cívico Português do Reino Unido, "não se trata de votos nulos no sentido mais habitual do termo, que é um voto de protesto", mas antes, "na sua esmagadora maioria, de votos validamente expressos, manifestando escolhas legítimas de cidadãos eleitores portugueses, mas que foram desconsiderados, por exemplo, por faltar a cópia do cartão de cidadão".

As organizações de emigrantes portugueses exigem a realização de um "inquérito ao modo como decorreram estas eleições e que sejam feitas alterações para melhorar a votação em eleições futuras".

Ainda sobre esta matéria, defendem uma experiência piloto de voto pela internet como um possível meio de evitar os problemas do voto postal.

SMM // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês é altamente lesivo para o Estado

O Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês no terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto é altamente lesivo para o Estado. O partido critica o facto dos contratos feitos entre a Infraestruturas de Portugal, ainda proprietária do terreno, e o grupo espanhol, "nunca terem sido disponibilizados".

Catarina Martins defende a eliminação das portagens no interior do país

O Bloco que Esquerda quer eliminar as portagens nas Scut do interior do país. Depois o PCP é a vez do Bloco defender o fim das portagens como forma de diminuir as assimetrias no interior do país.

Gestão dos rios portugueses. Mais um exemplo de centralismo?

A gestão dos recursos hídricos que está totalmente centrada na Agência Portuguesa do Ambiente, é mais um exemplo do centralismo em Portugal. A conclusão é de uma investigadora da Faculdade de Engenharia do Porto que concluiu que existe uma enorme disparidade entre Portugal e Espanha na forma como os rios são geridos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...