Info

CFP alerta para riscos orçamentais em contexto de mudança de legislatura

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 out 2019 (Lusa) - O CFP reforçou hoje o alerta, perante o contexto de mudança de legislatura, para os riscos orçamentais que subsistem na economia portuguesa, nomeadamente para pressões do lado da despesa, assinalando que a elevada dívida pública reduz a margem de manobra.

"Temos sempre assinalado, e desta vez em particular, uma vez que estamos em mudança de legislatura, um conjunto de riscos orçamentais que subsistem e que devem ser registados", nomeadamente "pressões orçamentais que se fazem sentir por certas componentes mais rígidas da despesa", como as "despesas com pessoal e despesas com certas prestações sociais", referiu hoje a presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

Nazaré da Costa Cabral falava em Lisboa, na apresentação da segunda edição de 2019 do relatório "Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2019-2023", que foi hoje divulgada e que aponta para a existência de um excedente orçamental de 0,1% já em 2019, prevendo a manutenção de saldos orçamentais positivos até 2023.

Essas pressões orçamentais que podem fazer-se sentir por certas componentes mais rígidas da despesa podem, referiu, "comprometer a obtenção dos resultados que agora estimamos".

LT // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Governo aprova salário mínimo de 635 euros para 2020

O Conselho de Ministros aprovou hoje o aumento do salário mínimo para 635 euros a partir de janeiro de 2020, medida que o Governo estima que poderá abranger 720 mil trabalhadores, foi hoje anunciado.

Investimento na cidade do Porto vem maioritarimente de fora

A maioria dos imóveis no Centro Histórico do Porto se não são exclusivamente de estrangeiros são de entidades sem rosto em que os estrangeiros têm interesses e capitais. A Associação de Inquilinos do Norte diz que o Porto está a começar a perder carisma devido ao investimento que vem de fora e chama a atenção para a especulação imobiliária.

Associação dos Industriais da Construção defende projetos no Interior para fixar pessoas

O presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil defendeu que os projetos de reabilitação urbana devem estender-se a todo o país e que só assim será possível fixar pessoas no Interior. Já a Associação Comercial do Porto deixou críticas à proposta do Governo de englobar no os rendimentos prediais IRS.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.