Info

OPEP indica que produção de petróleo saudita caiu em setembro

| Economia
Porto Canal com Lusa

Paris, 10 out 2019 (Lusa) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) registou um forte recuo da sua produção em setembro, devido essencialmente a uma queda da produção da Arábia Saudita após um ataque, indica o relatório mensal publicado hoje.

A produção da OPEP baixou para 28,491 milhões de barris por dia, um recuo de 1,318 milhões de barris por dia, sob impacto da descida da produção saudita. Esta desceu em 1,28 milhões de barris por dia e ficou em 8,564 milhões de barris diários, de acordo com fontes citadas no relatório.

A parte da OPEP na produção mundial neste período desceu 0,8% para 29,3%.

A produção de petróleo da Arábia Saudita, o maior exportador mundial, desceu após os ataques a instalações petrolíferas reivindicados pelos rebeldes huthis do Iémen, em meados de setembro. Dias depois, Riade disse ter recuperado totalmente a capacidade de produção que tinha antes do ataque.

A OPEP também reviu ligeiramente em baixa a sua previsão de procura mundial de crude para 2019, mas deixou inalterada a de 2020.

EO // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores de misericórdias em greve na sexta-feira por aumentos salariais

Os trabalhadores da União das Misericórdias Portuguesas e das Misericórdias entregaram um pré-aviso de greve para a próxima sexta-feira por melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

Norte continua a ser a região mais pobre

O Norte do país continua a ser fustigado pelos níveis de pobreza. Há mais de 800 mil pessoas abaixo do limiar aceitável de condições de vida. 

"Talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender"

Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, perante os dados que demonstram que a região Norte de Portugal é a mais afetada pela pobreza, afirma que "talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender". O INEM revela que no Norte existem 814 mil pessoas consideradas pobres, enquanto que a Área Metropolitana de Lisboa conta com 474 mil pessoas, dados de 2018.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.