Info

Campanha internacional apela a consumidores para preferirem eletrónica com plástico reciclado

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 out 2019 (Lusa) - Universidades e empresas vão lançar uma campanha em nove países para levar os fabricantes de produtos eletrónicos a usarem plásticos recicláveis e reciclados nos aparelhos, que incluem em média 20 por cento de plástico.

A campanha de dois anos, financiada pela Comissão Europeia e apoiada pelas Nações Unidas, é lançada pelo consórcio PolyCE, que inclui universidades, organizações da sociedade civil e empresas, e dirige-se também aos consumidores, para que exijam "produtos eletrónicos e elétricos com plástico reciclado" aos fabricantes.

De mais de 12 milhões de toneladas de lixo eletrónico previstas para o próximo ano na União Europeia, Noruega e Suíça, cerca de 2,5 milhões serão de plástico, o equivalente a 62.500 camiões de 40 toneladas.

A investigadora Kim Ragaret, da universidade belga de Gent, afirmou que "os plásticos em si não são o problema, o problema são as atitudes em relação a ele e à gestão de resíduos".

O consórcio PolyCE cita um estudo feito na Suécia, segundo qual apenas 10% dos plásticos dos produtos de gama alta são recuperados e reciclados no mundo inteiro, por comparação com a reciclagem de 50% a 90% nos metais e vidro.

Com outros dados, esperam convencer os fabricantes de que a reciclagem e utilização de plástico reciclado de alta qualidade são economicamente viáveis.

As vantagens para o ambiente medir-se-ão em cada tonelada a mais que for possível reciclar, que evitará a emissão de três toneladas de dióxido de carbono por causa do plástico novo que já não se vai fabricar.

Segundo um estudo de mercado do consórcio PolyCE, 86% dos consumidores inquiridos não nota a diferença em qualidade, aspeto ou desempenho do plástico virgem para o plástico reciclado.

Confrontados com os benefícios para a saúde e para o ambiente, 95% afirmou que compraria produtos com componentes de plástico reciclado.

"O consumidor tem papéis vitais num sistema de fabrico sustentável e assente na economia circular", afirmou o investigador as Nações Unidas Ruediger Kuehr, apontando que o primeiro é "evitar substituir produtos elétricos e eletrónicos reparando os que tem".

Quando os produtos vão para o lixo, têm que ser "devidamente reciclados" e quando chega a altura de comprar, os consumidores devem "preferir produtos feitos com plástico reciclado".

Quanto aos fabricantes, devem melhorar a conceção dos produtos para que seja possível recuperar mais facilmente os componentes plásticos e usar essa característica para vender o produto.

APN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: País

Covid-19: Portugal com 1.342 mortos e 31.007 infetados

Portugal regista hoje 1.342 mortes relacionadas com a covid-19, mais 12 do que na segunda-feira, e 31.007 infetados, mais 219, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Covid-19: Aumento da procura de acrílico durante a pandemia está a levar à escassez do produto

A procura de acrílico aumentou em Portugal devido à Covid-19 e o produto começa a escassear. O mercado nacional está dependente das importações.

Covid-19: Feira de Espinho reabre com medidas de segurança que comerciantes e clientes consideram excessivas

A Feira de Espinho reabriu esta segunda-feira as portas ao público com regras de segurança e higienização apertadas, entre elas a limitação na entrada de clientes. Foram muitos os comerciantes mas também clientes que consideraram excessivo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.