Info

Campanha internacional apela a consumidores para preferirem eletrónica com plástico reciclado

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 out 2019 (Lusa) - Universidades e empresas vão lançar uma campanha em nove países para levar os fabricantes de produtos eletrónicos a usarem plásticos recicláveis e reciclados nos aparelhos, que incluem em média 20 por cento de plástico.

A campanha de dois anos, financiada pela Comissão Europeia e apoiada pelas Nações Unidas, é lançada pelo consórcio PolyCE, que inclui universidades, organizações da sociedade civil e empresas, e dirige-se também aos consumidores, para que exijam "produtos eletrónicos e elétricos com plástico reciclado" aos fabricantes.

De mais de 12 milhões de toneladas de lixo eletrónico previstas para o próximo ano na União Europeia, Noruega e Suíça, cerca de 2,5 milhões serão de plástico, o equivalente a 62.500 camiões de 40 toneladas.

A investigadora Kim Ragaret, da universidade belga de Gent, afirmou que "os plásticos em si não são o problema, o problema são as atitudes em relação a ele e à gestão de resíduos".

O consórcio PolyCE cita um estudo feito na Suécia, segundo qual apenas 10% dos plásticos dos produtos de gama alta são recuperados e reciclados no mundo inteiro, por comparação com a reciclagem de 50% a 90% nos metais e vidro.

Com outros dados, esperam convencer os fabricantes de que a reciclagem e utilização de plástico reciclado de alta qualidade são economicamente viáveis.

As vantagens para o ambiente medir-se-ão em cada tonelada a mais que for possível reciclar, que evitará a emissão de três toneladas de dióxido de carbono por causa do plástico novo que já não se vai fabricar.

Segundo um estudo de mercado do consórcio PolyCE, 86% dos consumidores inquiridos não nota a diferença em qualidade, aspeto ou desempenho do plástico virgem para o plástico reciclado.

Confrontados com os benefícios para a saúde e para o ambiente, 95% afirmou que compraria produtos com componentes de plástico reciclado.

"O consumidor tem papéis vitais num sistema de fabrico sustentável e assente na economia circular", afirmou o investigador as Nações Unidas Ruediger Kuehr, apontando que o primeiro é "evitar substituir produtos elétricos e eletrónicos reparando os que tem".

Quando os produtos vão para o lixo, têm que ser "devidamente reciclados" e quando chega a altura de comprar, os consumidores devem "preferir produtos feitos com plástico reciclado".

Quanto aos fabricantes, devem melhorar a conceção dos produtos para que seja possível recuperar mais facilmente os componentes plásticos e usar essa característica para vender o produto.

APN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: País

Despiste provoca um morto em Sernancelhe

O despiste de uma viatura ligeira na Estrada Nacional (EN) 226, no concelho de Sernancelhe, provocou um morto, disse hoje à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

Equipa de resgate procura quatro espeleólogos portugueses em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água.

Alimentos com mais açúcar, sal e gorduras banidos da publicidade para crianças

A publicidade a alimentos com elevado teor de açucar, sal e gordura como os chocolates, barras energéticas e refrigerantes, está proibida a partir de hoje num raio de 100 metros das escolas e em programas infantis de televisão e rádio.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.