Info

Bruxelas pede a Portugal informações sobre legislação de contratos públicos e concessões

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 10 out 2019 (Lusa) -- A Comissão Europeia solicitou hoje a Portugal que forneça informações sobre a legislação nacional em matéria de contratos públicos e concessões, para avaliar a sua conformidade com as regras da União Europeia (UE).

No quadro do pacote mensal de processos de infração hoje divulgado, o executivo comunitário esclarece que decidiu enviar uma carta de notificação para cumprir a Portugal, país onde a transposição das novas regras europeias em matéria de contratos públicos e concessões para a legislação nacional foi "concluída com atrasos importantes" e obrigou a uma ronda de verificações posterior por parte da Comissão.

Em comunicado, Bruxelas indica que Portugal têm agora dois meses para responder ao seu pedido, caso contrário, a Comissão pode decidir dar seguimento ao procedimento com o envio de um parecer fundamentado, o segundo e último passo de um processo de infração antes de decidir apresentar queixa perante o Tribunal de Justiça da União Europeia.

AMG // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Afinal o "desperdício" existe. TAP volta com sete voos no Porto e mais de 200 em Lisboa

A TAP publicou esta segunda-feira a listagem das rotas em operação para os próximos dois meses e verifica-se, para o Aeroporto do Porto regressam três rotas, num total de sete voos por semana, e para Lisboa regressam mais de 200 voos.

Atualizado 25-05-2020 21:30

Norte é a região de menor rendimento por habitante do país, mas foi a que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho. Mais 16,7% que a Área Metropolitana de Lisboa

 

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou hoje a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN).

CDS-PP defende reforço das linhas de crédito às empresas e redução de impostos

O CDS-PP defende um reforço das linhas de crédito de apoio às empresas e uma redução dos impostos. Se o Governo aceitar as propostas, Francisco Rodrigues dos Santos admite viabilizar o orçamento suplementar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.