Info

Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis e a 12 meses

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 out 2019 (Lusa) -- As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três meses e subiram a seis e a 12 meses em relação a quarta-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, subiu hoje para -0,375%, mais 0,009 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

No mesmo sentido, no prazo de 12 meses, a taxa Euribor avançou para -0,326%, mais 0,007 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

A Euribor a três meses manteve-se, ao ser fixada de novo em -0,418%, contra o atual mínimo de sempre, igualmente de -0,448% e registado em 03 de setembro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

MC (IM) // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Após queda abrupta de vendas face à pandemia setor dos vinhos começam a recuperar

Depois de uma queda abrupta nas vendas com a chegada da pandemia, os produtores de vinho estão agora a recuperar os negócios. A aposta nas vendas online e em edições especiais ajudou na retoma.

Conselho das Finanças Públicas "muito preocupado" com impacto de despesas como a TAP

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, alertou no sábado que o impacto de despesas como a do processo da TAP pode comprometer necessidades nas áreas da saúde e da segurança social.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.