Info

5G: Huawei "satisfeita" por UE avaliar riscos sem visar "países ou empresas específicas"

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 09 out 2019 (Lusa) -- A tecnológica chinesa Huawei mostrou-se "satisfeita" com a avaliação hoje divulgada sobre riscos nas redes móveis de quinta geração (5G) na União Europeia (UE), por não visar "países ou empresas específicas", pedindo que Bruxelas se "guie por factos".

"É com satisfação que observamos que a UE cumpriu o seu compromisso de adotar uma abordagem baseada em evidências, analisando minuciosamente os riscos, em vez de visar específicos países ou atores", refere a Huawei Europa numa declaração enviada à agência Lusa.

A reação da companhia surge depois da divulgação de um relatório da Comissão Europeia, que revela que os Estados-membros da UE detetaram, numa análise feita aos riscos nacionais relativos às redes móveis 5G, ameaças de espionagem ou de ciberataques vindas, nomeadamente, de países terceiros.

"Somos uma empresa 100% privada, detida pelos seus funcionários, e a cibersegurança é uma das nossas principais prioridades: o nosso sistema completo de garantia de cibersegurança abrange todas as áreas do processo e nosso sólido histórico comprova que isso funciona", argumenta a Huawei.

A companhia adianta esperar, "à medida que a UE passa da identificação dos riscos [com o 5G] para a criação de um necessário quadro de segurança comum para gerir e mitigar esses riscos", que "este trabalho continue a ser guiado pela mesma abordagem baseada nos factos".

Apesar de Bruxelas rejeitar focar-se, neste relatório, numa determinada empresa ou num determinado país, certo é que a tecnológica chinesa Huawei tem vindo a ser acusada, principalmente pelos Estados Unidos, de espionagem através das redes 5G.

A Europa é o maior mercado da Huawei fora da China. De um total de 50 licenças que a empresa detém para o 5G, 28 são para operadoras europeias.

Assumida como uma prioridade desde 2016, a aposta no 5G já motivou também preocupações com a cibersegurança, tendo levado a Comissão Europeia, em março deste ano, a fazer recomendações de atuação aos Estados-membros, permitindo-lhes desde logo excluir empresas 'arriscadas' dos seus mercados.

Bruxelas pediu, também nessa altura, que cada país analisasse os riscos nacionais com o 5G, o que aconteceu até junho passado, seguindo-se depois uma avaliação geral em toda a UE, hoje divulgada.

O relatório hoje publicado por Bruxelas reúne as conclusões a que os países da UE chegaram nessas avaliações nacionais, indicando que "a introdução das redes 5G ocorre no âmbito de um complexo cenário global de ameaças à segurança cibernética".

"No geral, as ameaças consideradas mais relevantes" e apontadas no relatório estão "relacionadas com o comprometimento da confidencialidade, da disponibilidade e da integridade" dos dados nestes países, indica o executivo comunitário no documento, precisando que um desses riscos se refere à "espionagem de tráfego ou de dados através da infraestrutura das redes 5G".

A Comissão nota, no relatório, que "em particular os países terceiros mais hostis podem exercer pressão sobre os fornecedores de 5G a fim de concretizarem ciberataques para atenderem aos seus interesses nacionais".

Isto porque estes países de fora da UE têm "capacidades - intenção e recursos - para realizar ataques contra redes de telecomunicações dos Estados-membros da UE", acrescenta.

Segundo Bruxelas, "as mudanças tecnológicas introduzidas com o 5G irão aumentar a dimensão de um [possível] ataque e o número de pontos de entrada com potencial para os invasores".

Até final do ano, os Estados-membros da UE vão, então, encontrar medidas comuns para mitigar estas ameaças.

ANE // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS de 2015 e exige devolução de 3,5 milhões de euros

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) identificou um erro na liquidação de declarações de IRS relativas a 2015, que implicou um novo apuramento do imposto em cerca de 10 mil declarações no valor de 3,5 milhões de euros.

Trichet diz que Banco Central Europeu salvou o euro em 2010 e "Portugal sabe bem disso"

Jean-Claude Trichet, antigo presidente do Banco Central Europeu, afirmou à Lusa que, juntamente com a sua equipa, salvou o euro em 2010, quando comprou títulos de dívida de Portugal, Grécia e Irlanda, na altura alvos de uma "especulação devastadora" nos mercados.

Governo aprova salário mínimo de 635 euros para 2020

O Conselho de Ministros aprovou hoje o aumento do salário mínimo para 635 euros a partir de janeiro de 2020, medida que o Governo estima que poderá abranger 720 mil trabalhadores, foi hoje anunciado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...