Info

Governo: Se houver acordo com todos é excelente, só com parte também é bom

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 08 out 2019 (Lusa) - O primeiro-ministro indigitado, António Costa, considerou hoje que, se houver condições para um acordo do PS com todos os partidos à sua esquerda, será excelente, se apenas com parte, também será bom, desvalorizando a questão da forma.

"Hipóteses: Há condições para fazer um acordo com todos, excelente. Há condições para fazer um acordo só com parte, bom também. Até pode não haver condições para haver acordo", declarou António Costa, no Palácio de Belém, em Lisboa, acrescentando que "a questão da forma não é o essencial".

O secretário-geral do PS adiantou que, "se houver entendimentos com alguma força, é natural que esse entendimento tenha tradução no Programa do Governo", como aconteceu há quatro anos.

O secretário-geral do PS falava aos jornalistas após ter sido recebido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e indigitado primeiro-ministro, na sequência das audições realizadas hoje aos dez partidos que conseguiram representação parlamentar nas eleições legislativas de domingo.

À saída da reunião, que durou pouco mais de uma hora, António Costa assinalou que "há todas as condições, ouvidos os partidos políticos hoje, para que o Governo se possa apresentar perante a Assembleia da República e não ver aprovada uma moção de rejeição do seu Programa do Governo".

Encarando como "uma honra" e "uma enorme responsabilidade" o facto de ter sido indigitado para formar o XXII Governo Constitucional, o secretário-geral do PS voltou a defender que os portugueses "manifestamente gostaram da 'geringonça' e gostariam que ela pudesse ter continuidade".

"Iniciarei contactos com o Livre, o PAN, o PCP, o PEV e o BE tendo em vista saber quais são as condições e qual a melhor forma de podermos contribuir todos para que a legislatura corra de uma forma positiva", disse.

IEL // ACL

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Presidente da República acompanha preocupação do Norte sobre plano de rotas da TAP

O Presidente da República afirmou hoje à agência Lusa que "acompanha a preocupação manifestada por vários partidos políticos e autarcas relativamente ao plano de retoma de rotas da TAP, em particular no que respeita ao Porto".

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que "lesa interesse nacional"

O secretário-geral adjunto do PS desafiou hoje a TAP a corrigir o plano de rotas aéreas tornado público, considerando que a decisão da Comissão Executiva da transportadora aérea de reduzir voos e destinos "lesa o interesse nacional".

Governo não pode ignorar marginalização do Norte arquitetada pela TAP, diz PS/Porto

A Distrital do Porto do PS defendeu hoje que o Governo não pode ignorar a marginalização do Norte "arquitetada pela gestão privada da TAP", considerando um "insulto" a estratégia da companhia para a retoma da operação para a região.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.