Info

Comissão Política do BE reúne-se hoje para analisar resultados e prioridades para a legislatura

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 out 2019 (Lusa) -- A Comissão Política do BE reúne-se esta noite para analisar os resultados das legislativas de domingo e discutir das prioridades para a próxima legislatura, adiantou fonte oficial bloquista à agência Lusa.

Nas eleições legislativas de domingo, o BE consolidou-se como a terceira força política e manteve um grupo parlamentar com 19 deputados eleitos, mas perdeu em número de votos, ficando, de acordo com os resultados provisórios com 9,67% da votação.

De acordo com a informação avançada à agência Lusa, a reunião da Comissão Política do BE, que segundo os estatutos "assegura a direção quotidiana" do partido, terá em agenda a análise dos resultados das eleições legislativas de domingo e ainda a "discussão das prioridades para a próxima legislatura".

Da Comissão Política bloquista fazem parte nomes como o da coordenadora, Catarina Martins, o líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, os eurodeputados Marisa Matias e José Gusmão, o fundador Luís Fazenda ou ainda os deputados Mariana Mortágua, Jorge Costa e José Soeiro.

No discurso na noite eleitoral, a coordenadora bloquista, Catarina Martins, manifestou hoje a disponibilidade do BE para negociações com o PS com vista a uma "solução de estabilidade" para a legislatura ou, caso esta não aconteça, "negociações ano a ano para cada orçamento".

Catarina Martins subiu ao púlpito do Teatro Thalia, em Lisboa, quando os resultados do partido estavam ainda longe de estabilizados, deixando claro que "o PS tem todas as condições para formar Governo" e, caso não tenha maioria absoluta, e precise de apoio parlamentar tem duas opções.

"Procurar uma solução de estabilidade que assuma a continuidade da reposição de direitos e rendimentos ao longo da legislatura, e isso deve estar refletido no programa de Governo que vier apresentar, ou realizar negociações ano a ano para cada orçamento. O BE manifesta a sua disponibilidade e, se a primeira não se realizar, estaremos também disponíveis para a negociação caso a caso, mantendo compromisso que sempre afirmámos", garantiu.

Como recusou fazer "tabus ou suspense", Catarina Martins elencou aqueles que são os compromissos do Bloco, uma espécie de cadernos de encargos.

"Defender quem vive do seu trabalho em Portugal, desde logo repondo os cortes que foram feitos na troika e que ainda estão na legislação laboral, repor os dias de férias, repor as compensações por despedimento, repor o pagamento pelas horas extraordinárias. Combater a precariedade, proteger os trabalhadores por turno e defender as pensões, acabando com o duplo corte do fator de sustentabilidade", detalhou, em primeiro lugar.

Em segundo, prosseguiu Catarina Martins, "salvar o Serviço Nacional de Saúde, garantindo que tem o financiamento necessário, combatendo a promiscuidade entre público e privado e fazendo caminho para a exclusividade dos seus profissionais".

"Em terceiro, proteger os serviços públicos em todo o território, incluindo a recuperação do controlo público dos CTT. Em quatro lugar, recuperar o investimento público, responder à crise da habitação e dos transportes e construir uma resposta decidida à emergência climática", elencou.

JF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês é altamente lesivo para o Estado

O Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês no terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto é altamente lesivo para o Estado. O partido critica o facto dos contratos feitos entre a Infraestruturas de Portugal, ainda proprietária do terreno, e o grupo espanhol, "nunca terem sido disponibilizados".

Catarina Martins defende a eliminação das portagens no interior do país

O Bloco que Esquerda quer eliminar as portagens nas Scut do interior do país. Depois o PCP é a vez do Bloco defender o fim das portagens como forma de diminuir as assimetrias no interior do país.

Gestão dos rios portugueses. Mais um exemplo de centralismo?

A gestão dos recursos hídricos que está totalmente centrada na Agência Portuguesa do Ambiente, é mais um exemplo do centralismo em Portugal. A conclusão é de uma investigadora da Faculdade de Engenharia do Porto que concluiu que existe uma enorme disparidade entre Portugal e Espanha na forma como os rios são geridos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...