Info

André Silva diz que política do PAN não vai mudar

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), André Silva, considerou hoje que o partido vai continuar "a fazer a mesma política que tem feito nos últimos quatros anos", contribuindo para que "Portugal seja um lugar melhor para se viver".

"O PAN continuará a dizer e a fazer a mesma política que tem feito nos últimos quatro anos, na tentativa de estabelecer pontes com todos partidos políticos, para fazer avançar as nossas propostas, para fazer com que Portugal seja um lugar melhor para se viver", disse André Silva.

O líder do PAN falava à imprensa depois de exercer o seu direito de voto numa escola, em Lisboa.

Sereno e tranquilo, André Silva voltou a referir que o PAN não é um partido de Governo, que "não é tempo de o PAN estar no Governo".

"Aquilo que dizemos é que não somos um partido de Governo, não queremos estar no Governo, não é o tempo de o PAN estar no Governo", frisou, acrescentando que "é o tempo do PAN crescer, consolidar e aprofundar algumas matérias", de modo a estabelecer "pontes com todos os partidos".

Sobre a noite eleitoral, André Silva revelou-se confiante com o resultado eleitoral.

"Vou esperar por um resultado, que espero, que seja bom, logo", adiantou o porta-voz do PAN, sublinhando que está confiante "que a taxa de abstenção se reduza".

Para André Silva, a redução da taxa de abstenção é o que o "deixaria mais alegre".

"Estou confiante que a taxa de abstenção se reduza, estou confiante que os portugueses vão às urnas, que consigam ir votar, que tenham vontade de ir votar. O que me deixaria mais alegre, mais feliz, é que a taxa de abstenção se reduzisse e que os portugueses fossem mais às urnas no dia de hoje do que foram nas últimas eleições", contou.

De acordo com o líder do PAN, o partido contribuiu para uma campanha "esclarecedora" por forma a reduzir a taxa de abstenção.

"Penso que contribuímos para uma campanha esclarecida e, acima de tudo, para reduzir a abstenção, é isso que são as minhas expectativas para o dia de hoje, mais do que os resultados, que espero que sejam positivos", concluiu André Silva, que votou pelas 11:15.

Mais de 10,8 milhões de eleitores recenseados no território nacional e no estrangeiro são hoje chamados às urnas para escolher a constituição da Assembleia da República na próxima legislatura e de onde sairá o novo Governo.

Segundo a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI), podem votar para as eleições de hoje 10.810.662 eleitores, mais cerca de 1,1 milhões do que nas anteriores legislativas, em 2015, devido ao recenseamento automático no estrangeiro.

+ notícias: Política

Associação Nacional de Municípios quer avançar com a Regionalização

A Associação Nacional de Municípios quer avançar com a regionalização e propõe a realização de um novo referendo. O presidente Manuel Machado diz que é tempo de acabar com o tabu. Este será, aliás, um dos temas do próximo congresso da instituição no final de novembro, em Vila Real.

Vários portugueses assinaram manifesto que defende uma solução política e não judicial na Catalunha

Vários nomes portugueses assinaram um manifesto que sublinha que o problema na Catalunha é de natureza eminentemente política e que, por isso, carece de soluções políticas e não judiciais. Os subscritores defendem a amnistia imediata dos líderes políticos e associativos catalães presos e que sejam levantadas as acusações contra todos os cidadãos catalães que participaram na organização do referendo de outubro de 2017. Fernando Rosas, André Freire e Manuel Loff são alguns dos subscritores.

Rui Rio anuncia recandidatura à liderança do PSD

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou hoje que é candidato nas próximas eleições internas, afirmando estar disponível para enfrentar as adversidades inerentes, mas não as deslealdades e boicotes internos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.