Info

Catarina Martins: Democracia "é tanto melhor quanto mais gente votar"

| Política
Porto Canal com Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, apelou hoje à participação nas eleições legislativas, sublinhando que "a democracia não é seguramente um sistema perfeito, mas é tão melhor quanto mais gente votar".

Catarina Martins votou hoje de manhã, por volta das 10:10, na Escola Secundária Almeida Garret, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, tendo votado de imediato, uma vez que não havia fila.

"O apelo que nós fazemos é sempre este: que mais gente participe, que ninguém deixe de exercer o seu direito de voto, que ninguém deixe de escolher, que toda a gente utilize o seu poder para decidir o que é quer para o país nos próximos quatro anos", apelou.

A coordenada do BE lembrou que foram feitas alterações para o acesso ao voto, tanto no voto antecipado, como no voto dos portugueses que vivem fora do país "no sentido de garantir que todos possam participar", pelo que reforça, é importante que "toda a gente participe".

"A democracia não é seguramente um sistema perfeito, mas é tão melhor quanto mais gente votar, quanto mais gente fizer ouvir a sua voz", defendeu.

Questionada sobre a elevada afluência às urnas durante a manhã naquela escola em Gaia, a líder do Bloco disse que "todos os indícios que há mais gente a votar são bons", salientando, contudo, que "ainda é cedo".

"É muito bom chegar aqui de manhã e ver que há gente a votar. É muito importante a participação e o apelo que eu faço às pessoas é que não deixem de vir votar. Não deixem de vir escolher aquilo que acham que é o melhor projeto para o país porque hoje é o dia em que todos nós temos o mesmo poder de escolha", frisou.

Aquilo que precisamos, reiterou Catarina Martins, é de mais gente a participar.

"Quem se abstém acaba por não ter voz. Não sabemos quais os motivos de quem se abstém. As pessoas abstêm-se por motivos diferentes e, claro respeitamos todas as opções, mas é tão importante que as pessoas venham votar, que venham escolher. Porque é quem vota que vai decidir o futuro do nosso país", disse.

"A democracia precisa de toda a gente, não dispensa ninguém", concluiu, sublinhando que "todos são iguais no momento de escolhe os programas para o país".

"Que ninguém abdique desse direito", apelou.

Aos jornalistas, a coordenadora do Bloco de Esquerda revelou ainda que antes de seguir para Lisboa, onde o partido acompanhará a noite eleitoral, vai passar algum tempo com a família.

Mais de 10,8 milhões de eleitores recenseados no território nacional e no estrangeiro são hoje chamados às urnas para escolher a constituição da Assembleia da República na próxima legislatura e de onde sairá o novo Governo.

Esta é a 16.ª vez que os portugueses serão chamados a votar em legislativas, concorrendo a estas eleições um número recorde de forças políticas - 20 partidos e uma coligação - embora apenas 15 se apresentem a todos os círculos eleitorais.

Nestas eleições, há quatro partidos novos - Aliança, Reagir Incluir Reciclar (RIR), Chega, Iniciativa Liberal, sendo a única coligação, a CDU, que junta PCP e PEV e independentes.

Outros dos partidos políticos concorrentes são: PSD, PS, BE, CDS-PP, PAN, PNR, PDR, PCTP-MRPP, PPM, PTP, Livre,MPT, PURP, Nós, Cidadãos!, MAS e JPP.

No total, são eleitos 230 deputados numas eleições que, ao longo dos anos, têm vindo a registar um aumento da taxa de abstenção.

+ notícias: Política

Veja aqui as medidas do Plano de Estabilização Económica e Social

O Governo apresentou na quinta-feira o Plano de Estabilização Económica e Social, para fazer face aos efeitos da pandemia de covid-19, que inclui medidas como a prorrogação automática do subsídio de desemprego e a atribuição de um abono de família extra.

Covid-19: Fronteiras entre Portugal e Espanha só deverão abrir a 01 de julho

O Governo português garantiu esta quinta-feira que Ainda não há data para a reabertura das fronteiras com Espanha. A posição surge depois da Ministra do Turismo de Espanha ter dito que o país reabriria as fronteiras a partir de 22 de junho, um calendário já alterado pelo Governo espanhol.

Estado vai pagar entre 100 a 351 euros a trabalhadores que perderam rendimentos

O primeiro-ministro anunciou hoje que em julho será pago um complemento de estabilização, entre 100 e 350 euros, para compensar quem teve perda salarial relativamente a um mês de "lay-off" e tenha vencimento até 1.270 euros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.