Info

Menos mortes nas estradas, mas mais acidentes e feridos graves

Menos mortes nas estradas, mas mais acidentes e feridos graves
| País
Porto Canal com Lusa

Quase 360 pessoas morreram nas estradas portuguesas nos primeiros nove meses do ano, um valor inferior ao registado em igual período no ano passado, segundo os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

A informação disponível no 'site' da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativa ao período de entre 01 de janeiro e 30 de setembro deste ano indica que morreram nas estradas portuguesas 359 pessoas, menos 16 do que em igual período de 2018, apesar do número de acidente ter aumentado para 97.627 (mais 456), assim como os feridos graves (passou de 1.582 para 1.672.

Os dados da ANSR referem-se a óbitos que ocorrem no local do acidente ou durante o respetivo transporte até à unidade de saúde e os valores relativos aos feridos graves são referentes a vítima de acidente cujos danos corporais obriguem a um período de hospitalização superior a 24 horas.

O balanço periódico de sinistralidade, que reúne dados da GNR e da PSP, indica igualmente que na última semana de setembro (entre os dias 22 e 30) morreram nas estradas 59 pessoas e 13 ficaram gravemente feridas.

Nos primeiros nove meses do ano, o distrito que mais mortes nas estradas registou foi o de Lisboa (37), seguido do Porto (35), Braga (31), Santarém (28), Coimbra (27) e Beja (26). Lisboa também lidera no número de feridos graves (236), seguida de Santarém (158) e Porto (155).

O número de acidentes entre 01 de janeiro de 30 de setembro foi maior no distrito de Lisboa (19.188, menos 29 do que em 2018), seguido do Porto (17.504, menos 27).

O relatório anual de segurança rodoviária de 2018 indica que se registaram 34.235 acidentes com vítimas, de que resultaram 508 mortos (no local do acidente ou durante o transporte até ao hospital), 2.141 feridos graves e 41.356 feridos ligeiros.

Em relação a 2017, a ANSR sublinha que se registaram menos 181 acidentes com vítimas (-0,5%), menos duas vítimas mortais (-0,4%), menos 57 feridos graves (-2,6%) e menos 431 feridos leves (-1,0%).

O relatório de 2018 da ANSR relativo aos mortos a 30 dias, indica, no entanto, que se registaram 675 vítimas mortais, o número mais elevado desde 2012.

Em relação a 2017, o número de mortos a 30 dias aumentou 12,1% no ano passado, mais 73 vítimas mortais.

+ notícias: País

Nutricionistas alertam para importância de pequeno-almoço diário e com fruta nas crianças

A bastonária dos nutricionistas diz que as crianças devem fazer diariamente um pequeno-almoço que inclua fruta, que segundo um estudo hoje divulgado apenas faz parte da primeira refeição de 17% dos mais pequenos.

Falta de condições para emergência médica obriga INEM a transferir helicóptero para Viseu

A falta de condições para operações de emergência médica no heliporto de Santa Comba Dão obrigou o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) a transferir o seu helicóptero para o aeródromo de Viseu, foi hoje anunciado.

Porto, Braga e Guimarães entre as cinco cidades Portuguesas que já sentem alterações climáticas

Centenas de cidades do mundo já estão a sentir os efeitos das alterações climáticas, como Lisboa, Porto, Braga, Cascais e Guimarães, em Portugal, mas só metade estão a tomar medidas, diz um estudo esta terça-feira divulgado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.