Info

Eleições: PAN quer ligar todas as capitais de distrito por comboio até 2035

| Política
Porto Canal com Lusa

O porta-voz do PAN, André Silva, afirmou hoje que quer um investimento de 100 milhões de euros por ano para que todas as capitais de distrito estejam ligadas por comboio até 2035.

André Silva viajou hoje de manhã entre Santa Maria da Feira e Espinho, na Linha do Vouga, num percurso que demorou 40 minutos (de carro demora cerca de dez), para mostrar alguns dos problemas da ferrovia no país.

No final da viagem, aos jornalistas, o porta-voz do PAN vincou a necessidade de ligar todas as capitais de distrito por comboio até 2035 e reforçar os comboios suburbanos nas áreas metropolitanas.

Questionado sobre os custos desse plano para a ferrovia nacional, André Silva referiu que o plano poderia ser implementado "com um investimento de 100 milhões de euros por ano".

"As pessoas estão cada vez mais conscientes para a necessidade de se fazer uma mobilidade mais sustentável, mas isso não chega. Se essa mobilidade e intermobilidade entre vários transportes públicos for eficaz, as pessoas aderem", salientou.

No caso concreto de Santa Maria da Feira, a viagem através de comboio até ao Porto, onde muitos habitantes trabalham, começa por um percurso de 10 a 15 minutos de pé até à estação de comboio, uma viagem de 40 minutos até Espinho, a mudança de linha que fica a um quilómetro de distância e depois nova viagem até ao Porto, num percurso que pode demorar "uma hora e meia a duas horas", realçou.

"Há muito a fazer no nosso país em termos de mobilidade, que é a segunda atividade com maior impacto ao nível das alterações climáticas e, no que diz respeito às áreas metropolitanas, onde há mais pessoas, há que melhorar as infraestruturas dos metropolitanos e também das linhas de comboio suburbanas", acrescentou.

No comboio, Maria, de 60 anos, disse à agência Lusa que o comboio, que usa regularmente, "avaria muitas vezes" e que, por vezes, "é esquecido" e não aparece.

Apesar de naquela viagem estarem poucas pessoas, no verão, há demasiada gente para as poucas carruagens do comboio, lamentou.

Se em Santa Maria da Feira, quer no comboio quer nas ruas da cidade, André Silva encontrou pouca gente, em Aveiro foi diferente, no início do dia de campanha, que começou com o porta-voz do PAN a ouvir David Iguaz, de um movimento local contra um novo estacionamento no Largo do Rossio, que criticava a aposta da Câmara Municipal em levar mais carros para o centro da cidade, quando a nível europeu e nacional se aponta para o inverso.

De panfletos de papel reciclado na mão, André Silva foi abordando as pessoas que foi encontrando na rua, a maioria excursionistas de outros pontos do país, ouvindo algumas palavras de apoio, acenos, ou o simples reconhecimento.

Mas foi de uma das bancas de venda de viagens de moliceiro da Ria de Aveiro que surgiram as palavras de maior apoio.

"Aveirenses, votem no PAN", apelou o jovem Daniel Rocha, referindo que "muitos podem ter sido apanhados de surpresa" com este partido, mas ele não foi.

Depois de deixar ainda um pedido a André Silva para acabar com as touradas, o jovem de 31 anos disse que nas últimas legislativas votou no PAN e que agora também irá votar.

"Só temos um planeta. Não há planeta B. Não votem PS ou PSD. Votem PAN", vincou.

+ notícias: Política

Helicóptero de emergência médica do INEM vai continuar em Viseu

O INEM indicou hoje que um helicóptero de emergência médica vai continuar posicionado no Aeródromo Municipal de Viseu, depois de um entendimento entre a câmara da cidade e a empresa que cede as instalações para o aparelho.

Covid-19: Ministro da Administração Interna assegura que GNR tem disponibilidade para garantir desinfeção das ambulâncias

A GNR revelou esta segunda-feira que o encerramento das linhas de descontaminação de ambulâncias e fardamentos de emergência médica foi uma decisão do INEM. Entretanto, o Ministro da Administração Interna assegura que a GNR tem plena disponibilidade para continuar a desinfeção das ambulâncias.

Covid-19: António Costa e Silva diz que o Estado deve intervir na capitalização das empresas

O gestor escolhido pelo Primeiro-Ministro para ajudar a delinear o plano de recuperação económica do país insiste na necessidade de apoios públicos para o combate à crise. Em entrevista à TSF António Costa e Silva diz que o Estado deve intervir na capitalização das empresas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.