Info

Ministro Santos Silva diz que Portugal não se esquece do que deve a Angola

| Economia
Porto Canal com Lusa

Luanda, 19 set 2019 (Lusa) -- O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje que Portugal sabe "o que deve a Angola" e comparou o momento de crise que vive o país africano com o que se viveu anteriormente em Portugal.

"Conhecemos as dificuldades económicas e sociais porque passa Angola e quando olhamos, a primeira coisa que fazemos, é não nos esquecer da nossa própria crise", disse o governante, destacando o apoio dado por Angola naquele período.

Augusto Santos Silva, que falava em Luanda, antes de um encontro com o seu homólogo angolano, realçou que uma das qualidades essenciais da política externa é a memória.

O ministro português lembrou que muitas das empresas que perderam mercado em Portugal, devido à crise económica, encontraram em Angola alternativas, o mesmo acontecendo com muitos portugueses que perderam o emprego.

"Essas memórias são importantes: saber o que devemos a Angola e poder dizer a Angola: olhem para nós, passamos dificuldades ainda maiores e superámo-las", frisou.

O chefe da diplomacia portuguesa notou ainda que, em nenhum momento, apesar de algumas oscilações, as trocas comerciais entre os dois países deixaram de ser fortes, salientando que as exportações portuguesas para Angola caíram, devido à baixa da procura, mas as exportações de Angola para Portugal "aumentaram bastante" no primeiro semestre deste ano.

Angola é hoje um fornecedor de petróleo mais importante do que a própria Arábia Saudita, enfatizou, referindo que a relação comercial entre os dois países é atualmente "menos assimétrica" e que relações equilibradas "são mais duradouras".

O ministro apontou também um reequilíbrio no investimento, indicando que as autoridades públicas portuguesas estão a apoiar as angolanas no desenho técnico do programa de privatizações, lançado pelo Presidente da República angolano, João Lourenço, bem como em áreas financeiras, fiscais e da administração eleitoral, um "alargamento da cooperação" que torna mais rica a agenda bilateral.

O governante desafiou ainda as empresas portuguesas a olharem para o programa de privatizações, a diversificação da economia e a necessidade de substituir importações, três apostas do governo angolano, que devem ser vistas como "oportunidades".

RCR // LFS

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Afinal o "desperdício" existe. TAP volta com sete voos no Porto e mais de 200 em Lisboa

A TAP publicou esta segunda-feira a listagem das rotas em operação para os próximos dois meses e verifica-se, para o Aeroporto do Porto regressam três rotas, num total de sete voos por semana, e para Lisboa regressam mais de 200 voos.

Atualizado 25-05-2020 21:30

Norte é a região de menor rendimento por habitante do país, mas foi a que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho. Mais 16,7% que a Área Metropolitana de Lisboa

 

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou hoje a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN).

CDS-PP defende reforço das linhas de crédito às empresas e redução de impostos

O CDS-PP defende um reforço das linhas de crédito de apoio às empresas e uma redução dos impostos. Se o Governo aceitar as propostas, Francisco Rodrigues dos Santos admite viabilizar o orçamento suplementar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.