Info

Mercado petrolífero tem neste momento reservas suficientes

| Economia
Porto Canal com Lusa

Paris, 18 set 2019 (Lusa) - A Agência Internacional de Energia (AIE) reagiu hoje aos ataques de sábado a duas plataformas petrolíferas da Arábia Saudita e assegurou que os mercados contam com reservas suficientes "neste momento".

"Os países membros da AIE têm cerca de 1.550 milhões de barris de emergência em agências de reservas controladas por governos, o que equivale a 15 dias de procura mundial de petróleo", indicou a organização em comunicado.

Segundo a agência, estas reservas podem ser utilizadas de forma coletiva numa situação de emergência e seriam "mais que suficientes para compensar qualquer alteração significativa no fornecimento" durante um período prolongado.

A AIE afirmou que existem ainda os depósitos suplementares obrigatórios que os países membros têm de manter e que incluem cerca de 650 milhões de barris que podem ser colocados no mercado "imediatamente" se os governos reduzirem os seus requisitos de armazenamento.

Há ainda 2.900 milhões de barris de emergência para uso industrial, suficientes para cobrir a procura mundial durante um mês.

As autoridades da AIE mantêm um contacto permanente com as autoridades sauditas após o ataque de sábado e aplaudiram a decisão do governo de Riade de ativar a produção suspensa após o ataque.

"Os recentes acontecimentos mostram que a segurança do petróleo não pode ser dada como garantida, incluindo quando os mercados contam com bom abastecimento e que a energia é um pilar indispensável da economia global", afirmou Fatih Birol, diretor da agência.

O ataque de sábado ao maior campo petrolífero do mundo, na Arábia Saudita, reivindicado pelos rebeldes Huthis do Iémen, atingiu a produção de 5,7 milhões de barris de petróleo por dia no país, o equivalente a 5% da produção diária mundial.

Na terça-feira, o ministro da Energia saudita, Abdulaziz bin Salman, garantiu que a produção total de petróleo no país será retomada até ao final de setembro.

EO (FST) // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores de misericórdias em greve na sexta-feira por aumentos salariais

Os trabalhadores da União das Misericórdias Portuguesas e das Misericórdias entregaram um pré-aviso de greve para a próxima sexta-feira por melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

Norte continua a ser a região mais pobre

O Norte do país continua a ser fustigado pelos níveis de pobreza. Há mais de 800 mil pessoas abaixo do limiar aceitável de condições de vida. 

"Talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender"

Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, perante os dados que demonstram que a região Norte de Portugal é a mais afetada pela pobreza, afirma que "talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender". O INEM revela que no Norte existem 814 mil pessoas consideradas pobres, enquanto que a Área Metropolitana de Lisboa conta com 474 mil pessoas, dados de 2018.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.