Info

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

| Mundo
Porto Canal com Lusa

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

A agência noticiosa oficial Xinhua informou que o vice-ministro das Finanças Liao Min liderará a delegação, que chega na quarta-feira aos Estados Unidos.

"A visita abrirá caminho para a décima terceira rodada de consultas económicas e comerciais de alto nível China - Estados Unidos, em outubro, em Washington", lê-se no despacho da agência.

Pequim e Washington, que travam há mais de um ano uma guerra comercial, têm vindo a dar sinais de apaziguamento.

Na semana passada, a China anunciou que excluirá alguns produtos norte-americanas de taxas alfandegárias adicionais, nomeadamente químicos industriais e fármacos, e que retomará a compra de soja e carne de porco aos EUA.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu também adiar o aumento de taxas alfandegarias, de 25% para 30%, sobre um total de 250 mil milhões de bens importados da China.

Washington e Pequim aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um.

No cerne da guerra comercial está a política de Pequim para o setor tecnológico, que visa transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os Estados Unidos consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

As disputas comerciais entre as duas maiores economias do mundo ameaçam também a economia mundial: o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu este mês as suas projeções de expansão global para 3,2%, em 2019, um décimo a menos do que as previsões feitas em abril.

+ notícias: Mundo

Papa condena fogos que devoram povos e culturas "para homogeneizar tudo e todos"

O Papa Francisco condenou hoje os fogos que "devoram povos e culturas" para "homogeneizar tudo e todos" ao referir-se à Amazónia, lembrando a colonização, e rejeitou a "ganância de novos colonialismos".

Quatro polícias mortos em ataque a sede da polícia de Paris

Quatro polícias foram mortos num ataque ocorrido hoje na sede da polícia de Paris, agredidos por um funcionário civil que foi abatido por um agente, noticiou a imprensa francesa.

Moçambique: Líder dissidente diz que votar no candidato da Renamo é voltar à guerra

Maputo, 14 out 2019 (Lusa) - O líder da autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Mariano Nhongo, apelou hoje ao eleitorado moçambicano para não votar no candidato do partido, Ossufo Momade, nas presidenciais, dizendo que seria abrir "espaço" para uma nova guerra no país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.