Info

Fitch corta previsão do setor da construção em Angola de 6,7% para 0,9% até 2023

| Economia
Porto Canal com Lusa

Londres, 16 set 2019 (Lusa) - A consultora Fitch Solutions cortou a previsão de crescimento do setor da construção em Angola de 6,7% para 0,9% nos próximos quatro anos, uma revisão significativa devido à descida do preço do petróleo.

"Revimos a nossa previsão de crescimento para a indústria da construção no seguimento das novas previsões para a evolução do preço do petróleo, que estimamos deverá rondar os 60 dólares a médio prazo, bem abaixo dos níveis anteriores a 2014", escrevem os analistas desta consultora detida pelos mesmos donos da agência de notação financeira Fitch Ratings.

Os analistas, numa nota sobre o setor enviada aos clientes e a que a Lusa teve acesso, consideram que "o crescimento do setor da construção em Angola vai continuar fraco a médio prazo, já que o Governo está a cortar nas despesas de investimento no seguimento da descida das receitas petrolíferas".

"O crédito barato fornecido pela China vai permitir que alguns projetos de infraestruturas continuem, mas o grande endividamento, de 86,4% do PIB este ano, vai manter os custos de servir a dívida elevados no futuro, reduzindo as receitas governamentais disponíveis para o financiamento de infraestruturas, o que pesa no setor da construção", escrevem os analistas.

A Fitch Solutions sublinha que não prevê uma recessão na construção em Angola, como aconteceu em 2015, quando o setor caiu 1,3%, mas afirma que "o crescimento vai abrandar consideravelmente", de 0,8% em 2018 para 0,2% este ano, atingindo depois uma média de 0,9% entre 2020 e 2023 e 2,3% entre 2024 e 2028.

"Há potencial para mais revisões em baixa neste período se os cortes na despesa pública forem mais severos do que o que antecipamos atualmente ou se houver novas quedas no preço do petróleo", alertam os analistas.

MBA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

"Talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender"

Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, perante os dados que demonstram que a região Norte de Portugal é a mais afetada pela pobreza, afirma que "talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender". O INEM revela que no Norte existem 814 mil pessoas consideradas pobres, enquanto que a Área Metropolitana de Lisboa conta com 474 mil pessoas, dados de 2018.

Norte continua a ser a região mais pobre

O Norte do país continua a ser fustigado pelos níveis de pobreza. Há mais de 800 mil pessoas abaixo do limiar aceitável de condições de vida. 

OE2020: Principais números do Projeto de Plano Orçamental

O Governo divulgou hoje o Projeto de Plano Orçamental para 2020, que enviou à Comissão Europeia, onde prevê um défice menor este ano e corta para um saldo orçamental nulo a estimativa de excedente em 2020.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.