Info

Diretora do BCEAO na Guiné-Bissau diz que bancos têm obrigação de identificar transações suspeitas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bissau, 11 set 2019 (Lusa) - A diretora do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) disse hoje que os bancos têm obrigação de identificar transações suspeitas no âmbito do combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.

"Os bancos por determinação do BCEAO têm um programa de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, inclusive os bancos no seu seio têm uma estrutura que se dedica a identificar situações de risco e que possam fragilizar o sistema", afirmou Helena Embaló.

A diretora do BCEAO na Guiné-Bissau falava à imprensa no final da reunião do Conselho Nacional de Crédito para analisar a prestação da economia guineense no segundo trimestre do ano.

"Os bancos têm obrigação de identificar as transações suspeitas e têm a obrigação de identificar a sua clientela. Toda a pessoa que tem uma relação comercial com o banco, o banco tem a obrigação de a identificar, de conhecer o seu cliente. São medidas necessárias para combater o branqueamento de capitais", disse.

Para Helena Embaló, os desafios do setor bancário são enormes porque há a questão do tráfico de droga, terrorismo, corrupção, evasão fiscal.

"Neste momento está em curso a avaliação nacional de risco, que é importante porque permite adequar a estratégia nacional de luta contra o branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo aos riscos que se identificam a nível do país", disse.

"Para o banco central e para os bancos interessa proteger a economia e os sistemas financeiros. Os bancos não podem pôr em causa a sua reputação, porque deixam de ter correspondentes no exterior e ficam impedidos de fazer transações", salientou.

Segundo a responsável há "todo o interesse que o sistema bancário não seja apanhado a lavar dinheiro sujo".

Na semana passada, o presidente da Célula Nacional de Tratamento de Informações Financeiras (Centif) da Guiné-Bissau, Justino Sá, disse à Lusa que o país poderá perder a colaboração de instituições financeiras internacionais por suspeita de branqueamento de capitais.

Para já, indicou Justino Sá, a Guiné-Bissau figura "numa espécie de lista" negra do Giaba (Grupo intergovernamental de ação contra o branqueamento de dinheiro na África Ocidental) na chamada "declaração pública", entre os 17 países africanos que compõem a organização.

De acordo com o presidente da Centif, estrutura do Ministério das Finanças guineense, o Giaba "cansou-se da forma como a questão de suspeitas de branqueamento de capitais" tem sido tratada na Guiné-Bissau, onde, enfatizou, ainda ninguém foi julgado e condenado pela justiça por estes crimes, frisou.

MSE // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

Morreu o cantor Roberto Leal

O cantor Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo em São Paulo, no Brasil, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Manifestantes junto ao consulado britânico pedem que Reino Unido salve Hong Kong

Centenas de manifestantes estão reunidos no exterior do consulado britânico em Hong Kong, procurando apoio internacional na campanha que dura há mais de três meses por reformas democráticas no território semi-autónomo da China.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.