Info

Motoristas: Assunção Cristas defende revisão da lei dos serviços mínimos

| Política
Porto Canal com Lusa

Matosinhos, 07 set (Lusa) -- A líder do CDS, Assunção Cristas, defendeu hoje em Matosinhos que a lei dos serviços mínimos deve ser atualizada para evitar que "um grupo pequenino pare um país", referindo-se à greve dos camionistas, que na sexta-feira foi desconvocada.

"Há uma questão de fundo para ser tratada no que diz respeito às situações de greve que é uma atualização de uma lei que está claramente fora do nosso tempo, fora do que é Portugal no século XXI, um país com uma economia aberta", sublinhou Assunção Cristas.

Depois de uma greve em abril e outra em agosto, por melhores condições remuneratórias, os motoristas de matérias perigosas tinham previsto iniciar hoje uma nova greve que deveria terminar no dia 22.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma visita que realizou à feira da Senhora da Hora, concelho de Matosinhos, a dirigente do CDS frisou: "Um grupo pequenino não pode parar a vida de todo um país e de todas as pessoas, das famílias, das empresas, da atividade económica".

"Essa é a grande batalha do CDS, trouxemos essas propostas e desafiamos para um grande debate na sociedade portuguesa para se mudar a lei dos serviços mínimos. No parlamento não houve vontade de o fazer por parte das outras forças politicas, nós continuamos a achar que essa é uma das reformas de fundo que é preciso fazer no nosso país", acrescentou.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou na sexta-feira a desconvocação da greve ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados que se deveria prolongar até dia 22 de setembro.

O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, revelou existir um "princípio de acordo" com a Antram que permitiu a desconvocação da greve, cujo início esteve previsto para as 00:00 de hoje.

PM // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Política

Costa afasta "Bloco Central" e recusa aceitar incapacidade da esquerda para visão comum

O secretário-geral socialista garantiu hoje que vai manter o rumo político e não haverá "Bloco Central" PS/PSD, frisando que recusa aceitar que a esquerda seja incapaz de se entender sobre uma visão comum para o país.

Efacec: Marcelo quer nacionalização "quanto mais curta melhor"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou na sexta-feira que a nacionalização da Efacec não é para ser duradoura, defendendo que "quanto mais curta melhor".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.