Info

"Tempo de greve terminou e começou o tempo do diálogo" - ministro das Infraestruturas

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 set 2019 (Lusa) - O ministro das Infraestruturas disse hoje que "o tempo da greve terminou e começou o tempo do diálogo", na sequência da desconvocação da paralisação do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), considerando a paz social uma vitória.

"O país está cansado destas greves, não temos dúvidas de que os motoristas também, as empresas também. Foram quatro pré-avisos de greve em pouco mais de quatro meses", afirmou Pedro Nuno Santos, após uma reunião com o SNMMP e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), no Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

O SNMMP anunciou hoje a desconvocação da greve ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados que se deveria prolongar até dia 22 de setembro.

O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, revelou existir um "acordo de princípio" com a Antram que permitiu a desconvocação da greve, cujo início esteve previsto para as 00:00 de hoje.

Também o advogado da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) João Salvador confirmou haver "um princípio de acordo".

O ministro declarou que este foi "o culminar de um trabalho com muitos meses", depois de um acordo entre a Antram e a Fectrans - Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, e de um acordo entre a Antram e o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM).

"Nunca desistimos de promover a via do diálogo como uma via de resolução do conflito", referiu o governante, destacando que "estão criadas todas as condições para que o SNMMP e a Antram possam trabalhar em conjunto" e em diálogo, que "é a via correta para se resolver estes conflitos".

Para Pedro Nuno Santos, "os motoristas hoje têm a possibilidade de, pela via do diálogo, tentarem melhorar a sua condição e as empresas, no quadro daquilo que também é esta negociação, preservarem a sua competitividade".

Segundo o ministro, o texto assinado hoje é semelhante ao que a Antram assinou com Fectrans e SIMM, pelo que há todas as condições para resolver o problema.

"O país está cansado destas greves, não temos dúvidas de que os motoristas também, as empresas também", declarou.

Pedro Nuno Santos desejou ainda que as partes consigam alcançar uma "solução satisfatória", mas "há muito trabalho ainda para fazer entre os motoristas e as empresas", mas conseguir-se "paz social num setor tão importante quanto este é uma vitória, desde logo das partes desse setor, mas como tem um impacto tão grande" na vida dos portugueses "é uma vitória para todos.

Os motoristas de matérias perigosas tinham previsto iniciar hoje às 00:00 uma nova greve, desta vez ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados.

A decisão de fazer uma nova greve surgia em resposta "à intransigência da Antram em não aceitar" os "princípios básicos e legais" que os motoristas consideravam essenciais "como ponto de partida para a mediação negocial", explicou o sindicato.

AJO/SR // MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês é altamente lesivo para o Estado

O Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês no terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto é altamente lesivo para o Estado. O partido critica o facto dos contratos feitos entre a Infraestruturas de Portugal, ainda proprietária do terreno, e o grupo espanhol, "nunca terem sido disponibilizados".

Catarina Martins defende a eliminação das portagens no interior do país

O Bloco que Esquerda quer eliminar as portagens nas Scut do interior do país. Depois o PCP é a vez do Bloco defender o fim das portagens como forma de diminuir as assimetrias no interior do país.

Gestão dos rios portugueses. Mais um exemplo de centralismo?

A gestão dos recursos hídricos que está totalmente centrada na Agência Portuguesa do Ambiente, é mais um exemplo do centralismo em Portugal. A conclusão é de uma investigadora da Faculdade de Engenharia do Porto que concluiu que existe uma enorme disparidade entre Portugal e Espanha na forma como os rios são geridos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...