Info

Dívida mal parada corporativa dispara na China

| Economia
Porto Canal com Lusa

Pequim, 06 set 2019 (Lusa) - O número de empresas chinesas a falhar pagamentos de títulos privados disparou este ano, à medida que a desaceleração económica pesa sobre as firmas, que procuram primeiro cumprir com dívida negociada em bolsa.

Segundo dados difundidos hoje pela China Chengxin International Credit Rating Co, umas das principais agências de notação financeira do país, as empresas que emitiram títulos privados falharam pagamentos num valor total recorde de 31,8 mil milhões de yuans (4 mil milhões de euros), entre janeiro e agosto deste ano.

Em comparação, no conjunto dos anos 2017 e 2018, o valor de incumprimentos fixou-se em 26,7 mil milhões de yuan.

Os emissores de títulos privados não são obrigados a divulgar as suas contas, pelo que as empresas optam primeiro por pagar os títulos públicos, quando estão sob pressão financeira, e negociar a dívida privada diretamente com os credores.

O mercado de emissão de títulos privados é uma fonte importante de financiamento para pequenas empresas não estatais e para os veículos de financiamento dos governos locais, já que são feitos através de acordos com grupos de investidores institucionais, protegendo as empresas da volatilidade do mercado.

A economia chinesa cresceu, no segundo trimestre deste ano, ao ritmo mais lento das últimas três décadas, ilustrando o impacto de uma guerra comercial com Washington, que começou no verão passado e se tem vindo a agravar, e os esforços de Pequim de passar de um crescimento rápido para um de "alta qualidade", assente nos serviços, e menos dependente do investimento público e industria.

No total, a dívida corporativa, das famílias e do Governo excede já 300% do Produto Interno Bruto chinês, representando cerca de 15% da dívida mundial, segundo um relatório publicado pelo Institute of International Finance, num número corroborado por vários analistas.

JPI // MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Pescadores indignados com a interdição da pesca da sardinha

Está aí um novo período de interdição da pesca da sardinha. As regras nacionais estão em linha com as orientações europeias mas os 'homens do mar' não se conformam.

SNS registou prejuízo de cerca de 848 ME em 2018, um agravamento de 502ME face a 2017

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou em 2018 um prejuízo de cerca de 848 milhões de euros, um agravamento face ao ano anterior em cerca de 502 milhões de euros, segundo um relatório hoje divulgado.

Quais as prioridades para a região Norte nos próximos Fundos Comunitários?

O Parlamento Europeu quer que as negociações para o próximo quadro comunitário arranquem o mais rápido possível. Os eurodeputados vão votar esta quinta-feira uma resolução para que se chegue a um acordo sobre o orçamento do pós 2020. Em cima da mesa está um a proposta de cortes de 7% em Portugal que vão refletir-se na região Norte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.