Info

Macau quer ajudar consumidores de regiões chinesas a resolverem conflitos em Portugal

| Economia
Porto Canal com Lusa

Macau, China, 06 set 2019 (Lusa) -- O Governo de Macau mostrou-se hoje disponível para servir de intermediário na resolução de conflitos de consumidores de nove províncias e de Hong Kong quando estes se desloquem a Portugal.

A disponibilidade foi expressa pelo secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, na Reunião Conjunta das Lideranças Executivas de 2019, que decorreu na cidade chinesa de Nanning, no contexto da cooperação regional do Pan-delta do Rio das Pérolas.

Trata-se de uma região que integra nove províncias/regiões localizadas na parte oriental, central e ocidental da China: Guangdong, Fujian, Jiangxi, Hunan, Guangxi, Hainan, Sichuan, Guizhou, Yunnan, mais as regiões administrativas especiais de Hong Kong e de Macau. A região representa 20% do total da área da China e um terço da população do país. Mesmo excluindo Macau e Hong Kong, contribuiu com mais de 35% para o total da economia da República Popular da China.

"Tendo em conta a sugestão de assinar de novo um protocolo de cooperação de defesa dos direitos de consumidores, no contexto do Pan-Delta do Rio das Pérolas, Macau está disponível para servir como plataforma entre as entidades envolvidas do Pan-Delta do Rio da Pérolas e de Portugal, para tratar dos conflitos dos residentes do Pan-Delta que se deslocam ao estrangeiro", afirmou Lionel Leong.

O governante sublinhou ainda que "Macau atribui grande importância ao seu papel de plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa e promove com as províncias-irmãs do Pan-Delta do Rio das Pérolas a expansão do mercado" nos países lusófonos "nos domínios da economia, comércio, convenções e exposições e medicina tradicional chinesa".

Um papel que se estende, acrescentou, na "cooperação entre as províncias do Pan-Delta do Rio das Pérolas e os países do percurso da 'Uma Faixa, Uma Rota' e os países lusófonos nas áreas de proteção ambiental, infraestruturas e da indústria financeira, entre outras".

"Macau deve aproveitar as suas vantagens de manter uma estreita ligação com os países de língua portuguesa, do Sudeste Asiático, da União Europeia e com as organizações internacionais e o vasto número de chineses ultramarinos para maximizar o seu papel único na promoção do intercâmbio cultural entre o Oriente e o Ocidente", concluiu o secretário para a Economia e Finanças.

JMC // MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Pescadores indignados com a interdição da pesca da sardinha

Está aí um novo período de interdição da pesca da sardinha. As regras nacionais estão em linha com as orientações europeias mas os 'homens do mar' não se conformam.

SNS registou prejuízo de cerca de 848 ME em 2018, um agravamento de 502ME face a 2017

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou em 2018 um prejuízo de cerca de 848 milhões de euros, um agravamento face ao ano anterior em cerca de 502 milhões de euros, segundo um relatório hoje divulgado.

Quais as prioridades para a região Norte nos próximos Fundos Comunitários?

O Parlamento Europeu quer que as negociações para o próximo quadro comunitário arranquem o mais rápido possível. Os eurodeputados vão votar esta quinta-feira uma resolução para que se chegue a um acordo sobre o orçamento do pós 2020. Em cima da mesa está um a proposta de cortes de 7% em Portugal que vão refletir-se na região Norte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.