Info

Porto Editora renova instalações na Maia e anuncia 16 milhões de livros por ano

| Norte
Porto Canal com Lusa

As instalações da Porto Editora na cidade da Maia (Porto), que foram destruídas parcialmente em 2018 após a passagem da tempestade Gisele, foram esta terça-feira inauguradas e a administração anunciou uma capacidade de produção anual de 16 milhões de livros.

Atualizado 04-09-2019 11:02

“Hoje abre-se um novo capítulo”, assumiu Vasco Teixeira, administrador atual do grupo Porto Editora e filho do fundador da empresa, durante a sessão de inauguração das renovadas instalações da unidade gráfica e logística da Porto Editora, localizada na Maia.

A celebrar este ano o 75.º aniversário, a Porto Editora, fundada em 1944 e que começou por ser uma editora de livros escolares e de dicionários, reabre com capacidade para produzir 16 milhões de livros por ano, desde manuais escolares ao género literário, num bloco gráfico com 12 mil metros quadrados de área.

A Zuslog, a unidade responsável pela gestão logística do grupo, com uma área de 14 mil metros quadrados, vai permitir, por seu turno, armazenar 12 milhões de livros, 70 mil contentores e 21 mil europaletes, bem como vai permitir expedir “12 mil encomendas por dia e 15 mil volumes por dia”, lê-se no dossiê de imprensa entregue aos jornalistas durante a cerimónia de inauguração.

“Passaram-se 538 dias desde que a 14 de março de 2018 aconteceu o inesperado. Eram 11:04 da manhã quando o céu ameaçou cair-nos em cima em consequência da tempestade Gisele”, recordou hoje Vasco Teixeira, que na altura da fundação da empresa tinha 24 anos de idade.

Vasco Teixeira recordou que a tempestade provocou “três feridos ligeiros” e “danos materiais de grande monta”, que afetaram seriamente a capacidade logística e de distribuição, bem como destruiu praticamente toda a unidade gráfica.

Em declarações à Lusa, Paulo Gonçalves, assessor de impressa daquele grupo, explicou que durante o último ano e meio de obras para renovar as instalações destruídas pela tempestade Gisele, a produção de livros ficou entregue a “mais de 10 gráficas portuguesas e espanholas”.

Atualmente, “100% da produção e distribuição sai da Maia”, inclusivamente os livros para exportar para Angola, Moçambique e Timor-Leste (países com editoras locais) e mais de 90 países, acrescentou, referindo que os 180 funcionários que estavam na altura da intempérie nas instalações, regressaram todos às suas funções na agora reerguida unidade gráfica e logística.

o Grupo Porto Editora estimou que o prejuízo total do acidente relacionado com a tempestade Gisele rondou os seis e os sete milhões de euros e, na altura, o grupo chegou a avançar que a impressão e distribuição de manuais escolares estava ameaçada.

Apesar dos prejuízos, a Porto Editora indicou recebeu “apoio e solidariedade de muitas instituições e empresas”, em especial da autarquia da Maia e dos Bombeiros da Maia, e recordou que em 2018 conseguiu exportar “mais de quatro milhões de livros”.

O descerramento da placa e a visita aos blocos da Porto Editora contaram hoje com mais de 100 convidados, entre os quais o presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, bem como do secretário de Estado Adjunto da Mobilidade, José Gomes Mendes, bem como representantes da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) e da CONFAP – Confederação Nacional das Associações de Pais.

+ notícias: Norte

Conselho de Ministros autoriza verba para retirada dos resíduos de S. Pedro da Cova

A despesa para a remoção das toneladas de resíduos industriais perigosos depositadas em São Pedro da Cova, concelho de Gondomar, foi hoje autorizada pelo Conselho de Ministros.

Trabalhador soterrado após queda em obra no Porto

Um trabalhador ficou hoje soterrado numa obra na Avenida da Boavista, no Porto, estando "consciente e a ser assistido no local", disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto.

Encapuzados roubam malas com dinheiro em assalto à mão armada

Dois encapuzados armados assaltaram na quarta-feira duas pessoas na Rua Professor Camilo Oliveira, em Gondomar, levando duas malas com dinheiro antes de se porem em fuga com um terceiro cúmplice, informou hoje a PSP do Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.