Info

Presidente da Câmara da Maia pede responsabilização de todos os acionistas da TECMAIA

| Norte
Porto Canal com Lusa

O presidente da Câmara da Maia, a quem o tribunal confirmou perda de mandato pelo envolvimento no processo da extinta TECMAIA, defendeu esta terça-feira que o Governo deve ordenar aos restantes acionistas daquela empresa municipal que assumam as suas responsabilidades.

Atualizado 04-09-2019 11:14

“O Governo vai ter que dar ordens, ou dar aceitação ou anuência, a que essas entidades – AICEP, IAPMEI e Portugal Adventure -, assumam também a sua quota parte de responsabilidade, que são os restantes 49% que detêm na empresa”, declarou hoje o presidente da Câmara da Maia, António Tiago Silva, um dia após saber que o Tribunal Central Administrativo Norte (TCAN) confirmou a perda de mandato.

Em causa está um processo movido pelo partido Juntos pelo Povo (JPP) que critica a assunção pela autarquia de uma dívida de 1,4 milhões de euros, que o Fisco imputara ao presidente da câmara, Silva Tiago, ao seu antecessor e atual presidente da Assembleia Municipal, Bragança Fernandes, bem como ao vereador Mário Neves, enquanto ex-administradores da extinta empresa municipal TECMAIA.

Na segunda-feira, o Tribunal Central Administrativo Norte confirmou a decisão de abril, do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, de perda de mandato do presidente da Câmara Municipal da Maia, António Silva Tiago, e do vereador Mário Neves, eleito pela mesma coligação.

À margem da inauguração hoje das novas instalações do grupo Porto Editora, na zona industrial da Maia, Silva Tiago asseverou que a “autarquia assumiu a totalidade da dívida fiscal na base dos seus 51% de capital”, mas que esse facto não irá impedir que a autarquia venha a exigir aos outros acionistas – “o Estado e a administração central” - as suas responsabilidades.

Segundo o autarca, os restantes acionistas são a IAPMEI -Agência para a Competitividade e Inovação, AICEP -Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e a Portugal Venture.

O presidente da Câmara da Maia, que já anunciou que vai recorrer da decisão, assumiu-se “indignado com a justiça”.

“Acho que é uma decisão errada, absurda, injusta, desproporcionada e, portanto, eu vou recorrer para as instâncias superiores e estou convencidíssimo de que a justiça em Portugal existe e que me vai ser favorável”.

“Há aqui um imoralidade total, porque a Autoridade Tributária fez uma inspeção à empresa e fê-la depois de ela estar num processo de liquidação imposta ao tempo da ‘troika’ [Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia]”, defendeu.

O autarca reiterou que o que a Câmara da Maia fez foi pagar os impostos de uma empresa municipal onde detém a maioria do capital (51%) e acrescenta que a autarquia não foi prejudicada.

“A autarquia tinha sempre que assumir as suas responsabilidades de empresa, no reequilíbrio financeiro, e a autarquia, como não o pôde fazer dessa forma, fê-lo pagando ao Estado. Aquilo que foi pago pela Câmara da Maia, foi ao Ministério das Finanças, não foi a mais ninguém”.

“O outro capital é do Estado, é da administração central IAPMEI [Agência para a Competitividade e Inovação] AICEP [Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal] e a Portugal Venture, que são os outros acionistas da empresa”, assinalou.

Questionado pelos jornalistas sobre como vai reagir se o Tribunal Supremo não lhe der razão no recurso que vai interpor, o presidente da Câmara da Maia afirmou que ficará com “muita pena”, mas diz que vai “respeitar a ordem da Justiça e do Direito”.

Sobre se continuava a ter o apoio do PSD, o autarca assumiu que gosta “imenso do doutor Rui Rio” e que Rui Rio também gosta muito dele.

“Somos pessoas honestas, integras, só fazemos bem à comunidade e a Maia é hoje o que é, deve-se em muito ao meu trabalho diário e permanente e responsável, honesto e honroso”.

+ notícias: Norte

Conselho de Ministros autoriza verba para retirada dos resíduos de S. Pedro da Cova

A despesa para a remoção das toneladas de resíduos industriais perigosos depositadas em São Pedro da Cova, concelho de Gondomar, foi hoje autorizada pelo Conselho de Ministros.

Trabalhador soterrado após queda em obra no Porto

Um trabalhador ficou hoje soterrado numa obra na Avenida da Boavista, no Porto, estando "consciente e a ser assistido no local", disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto.

Encapuzados roubam malas com dinheiro em assalto à mão armada

Dois encapuzados armados assaltaram na quarta-feira duas pessoas na Rua Professor Camilo Oliveira, em Gondomar, levando duas malas com dinheiro antes de se porem em fuga com um terceiro cúmplice, informou hoje a PSP do Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Atitudo - Artes Marciais &...

Nota Alta

"A cidade do Porto está com um...

N'Agenda

"Gosto de estar a par do rap que...