Info

Helicópteros alugados pelo Estado vão para Vila Real, Ferreira do Zêzere e Loulé

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 jul 2019 (Lusa) -- Os tês helicópteros pesados Kamov alugados pelo Estado para o combate aos incêndios florestais vão operar a partir dos centros de meios aéreos de Vila Real, Ferreira do Zêzere e Loulé, avançou hoje à Lusa a Proteção Civil.

Numa resposta enviada à Lusa, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) referiu que estes três Kamov alugados estão previstos no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) deste ano, que estabelece um total de 60 meios aéreos, incluindo um helicóptero para coordenação.

Contactado pela Lusa, o porta-voz da Força Aérea, que faz a gestão dos meios aéreos, referiu que os três helicópteros pesados ainda estão estacionados em Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança, aguardando-se a "qualquer instante" que possam voar, mas não precisou quando.

Na segunda-feira, fonte ligada ao setor aeronáutico referiu à Lusa que a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) tinha dado autorização para que os três helicópteros Kamov integrassem o DECIR.

O porta-voz da Força Aérea, tenente-coronel Manuel Costa, esclareceu que estes três meios pesados aguardam por "autorizações burocráticas".

Atualmente, faltam seis meios aéreos dos 60 previstos no DECIR, de acordo com a Força Aérea.

Além dos três kamov, faltam ainda no combate aos incêndios os três helicópteros ligeiros do Estado, que estão parados "por questões técnicas", disse.

A ANEPC referiu ainda que "é importante" o início da operação dos três helicópteros pesados Kamov, no entanto, considerou que "o dispositivo é flexível e os meios aéreos disponíveis têm sido adequados para responder a todas as ocorrências".

O Estado tem seis helicópteros pesados Kamov que não estão a voar e não fazem parte do dispositivo de combate aos fogos deste ano.

Dos seis Kamov do Estado, um está acidentado desde 2012, outros dois estão para reparação desde 2015 e os restantes três estão inoperacionais desde o início de 2018.

CMP // HB

Lusa/fim

+ notícias: País

Desagravamento da seca no continente em novembro, Algarve mantém seca extrema

Portugal continental registou em novembro um desagravamento da seca meteorológica, mas no sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Estudo aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto que aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso. A dimensão dos municípios, a falta de financiamento adequado e os prazos demasiado curtos são os aspetos que levam a concluir que o modelo de descentralização não é bom para o País.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Atitudo - Artes Marciais &...

Nota Alta

"A cidade do Porto está com um...

N'Agenda

"Gosto de estar a par do rap que...