Info

Portugal/Moçambique: Banqueiros esperam descida das taxas de juro moçambicanas este ano

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 03 jul 2019 (Lusa) - Os presidentes do Banco Comercial e de Investimentos, Paulo Sousa, e do Millennium BIM, José Costa, consideraram hoje que o banco central de Moçambique vai continuar a descer as taxas de juro no segundo semestre.

"As taxas de juro vão descer ainda mais, houve um atraso no processo em curso de descida das taxas de juro por causa dos efeitos do ciclone Idia, e o banco central tem tido uma postura cautelosa para controlar a inflação", disse o presidente executivo do Millennium BIM durante um debate no Fórum Económico Portugal-Moçambique, que decorreu hoje em Lisba.

"O Idai veio criar expectativas de inversão da redução da inflação no segundo semestre e por isso o banco central ficou mais cauteloso e nos primeiros cinco meses não reduziu as taxas de juro", disse o banqueiro, reconhecendo que "houve um pico de inflação, mas foi só um pico e na Beira".

A inflação, previu, "vai manter-se até abaixo das perspetivas iniciais, e o banco central por causa disso já baixou há três semanas mais 1% no nível das taxas de juro, sendo previsível mais descidas significativas nos próximos semestres", comentou o banqueiro, quando questionado pelo moderador sobre a razão de as taxas de juro serem tão altas em Moçambique.

"Há 30 anos as taxas de juro em Portugal para o crédito à habitação eram de 28%, não era um equilíbrio perfeito mas era um ambiente em que se podia existir", acrescentou o presidente do Banco Comercial e de Investimentos (BCI), alertando que as empresas devem apostar em investimento com uma parte de capital próprio e não dependerem apenas de financiamento externo.

"Para as empresas que pensarem em financiar por completo a sua atividade com capitais alheios, Moçambique acaba por ser um país difícil, mas mandam as boas regras que o custo do financiamento seja mais baixo que o lucro esperado", acrescentou o banqueiro.

"É possível com as taxas de juro atuais ter projetos equilibrados entre capitais próprios e alheios, é possível e a tendência é claramente de descida das taxas de juro", concluiu.

Os dois banqueiros mostraram-se ainda muito otimistas sobre o futuro económico do país, destacando as previsões de crescimento económico perto de 10% a partir do momento em que os projetos do gás natural liquefeito entrarem em funcionamento.

A taxa de juro de referência do sistema financeiro de Moçambique ('prime rate') vai descer este mês pela primeira desde fevereiro, de 19,5% para 19,3%, segundo a Associação Moçambicana de Bancos e o banco central.

O valor a vigorar em julho cai em linha com a decisão do Banco de Moçambique anunciada no dia 19 de junho de baixar a taxa de política monetária (taxa MIMO, um do componente da 'prime rate').

Desde que foi criada, a taxa de referência nunca subiu e já caiu 8,45 pontos percentuais.

O Millennium BIM tem como acionista maioritário o banco português Millennium BCP e o BCI é propriedade da Caixa Geral de Depósitos e do BPI.

MBA (LFO) // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo reúne-se terça-feira com sindicato e Antram se greve for desconvocada este domingo

O Governo disse este domingo que irá realizar-se uma reunião na terça-feira entre o sindicato dos motoristas de matérias perigosas e a associação patronal, caso o plenário da estrutura sindical desconvoque a greve, disse à Lusa fonte governamental.

Governo tem "forte expetativa" de acordo entre patrões e sindicato dos motoristas

O Ministro do Ambiente e Transição Energética afirmou este sábado ter a "forte expetativa" de que "venha a ser celebrado rapidamente" o acordo entre patrões e o sindicato de motoristas de matérias perigosas, "para que a greve possa acabar".

Atualizado 18-08-2019 12:20

António Costa recusa-se a comentar críticas de Rio que estava "de férias"

O primeiro-ministro recusou-se esta sexta-feira a comentar as críticas do presidente do PSD à atuação do Governo perante a greve dos motoristas, considerando que Rui Rio "porventura" não acompanhou com atenção por estar em uso "legítimo" de férias.

Atualizado 17-08-2019 12:33

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.