Info

Quase 70% das queixas da saúde são no setor público e 9% respeitam às quatro PPP

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 01 jul 2019 (Lusa) -- Quase 70% das queixas na saúde dizem respeito a unidades públicas, mas as quatro parcerias público-privadas têm 9% das reclamações, muito acima de todos os prestadores do setor social.

Das mais de 84 mil reclamações na saúde registadas no ano passado pelo regulador, 67% respeitam a unidades públicas e são as instituições com internamento as que recebem mais queixas.

O relatório da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) sobre as reclamações no setor em 2018, hoje divulgado, aponta globalmente para mais de 84 mil queixas recebidas relativas a unidades de saúde públicas, privadas ou sociais, um aumento de 20% face a 2017, dados que já tinham sido apresentados em maio pela presidente do regulador no parlamento.

O documento hoje divulgado detalha as informações sobre as reclamações, mostrando que 67% das queixas respeita ao setor público, 23% ao privado, 8,9% nas unidades em regime de parceria público-privada e 1,2% no social.

No total, as quatro unidades geridas em regime de parceria público-privada tiveram cerca de sete mil reclamações, enquanto as cerca de 30 entidades do setor social registaram menos de 700 queixas.

Contudo, as PPP também surgem acima do setor social quanto aos elogios deixados pelos utentes, com 1.760 elogios.

O relatório do regulador mostra que mais de 75% de todos os processos de reclamações em 2018 respeitam a estabelecimentos detidos por 30 entidades.

As administrações regionais de saúde de Lisboa e Vale do Tejo e do Norte lideram o número de processos, seguidas do Centro Hospitalar Lisboa Norte e do Centro Hospitalar do Algarve.

Nas 30 entidades que juntam o grosso dos processos de reclamação surgem as quatro unidades geridas em PPP, seis hospitais privados e as restantes são entidades públicas.

ARP // SB

Lusa/fim

+ notícias: País

Sindicato dos Motoristas admite recorrer à justiça para responsabilizar aqueles que violaram leis

O porta-voz do sindicato de motoristas de matérias perigosas, Pedro Pardal Henriques, admitiu este sábado recorrer à justiça para “responsabilizar todos aqueles que violaram as leis” na greve.

ASAE apreende 7.000 artigos em combate à contrafação no Facebook

A ASAE apreendeu em Castelo de Paiva e Coimbra mais de sete mil artigos desportivos contrafeitos, no valor de 62 mil euros, numa ação contra produtos contrafeitos vendidos através do Facebook e 'websites'.

Vários setores de atividade confessam que não aguentam mais dias de paralisação dos motoristas

A greve dos motoristas de matérias perigosas começou há quase uma semana mas os portugueses começaram a preparar-se muito antes. Também os vários setores de atividade revelaram estar bem preparados mas há quem diga que não aguenta mais dias de paralisação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.