Info

Reclamações à CMVM desceram 67% para 462 em 2018

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 jun 2019 (Lusa) -- A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) recebeu 462 reclamações contra 49 entidades em 2018, face às 1.384 reclamações recebidas no ano anterior, informou hoje o regulador.

A grande maioria das reclamações recebidas pela CMVM (94% do total) foram contra intermediários financeiros, de acordo com o Relatório Anual de 2018 hoje divulgado.

Segundo o documento, as cinco entidades mais reclamadas foram o Banco Santander Totta, o Banco Comercial Português, a Caixa Geral de Depósitos, o Novo Banco e o BPI.

"As reclamações recebidas continuam a incidir sobretudo sobre instrumentos financeiros simples como ações, obrigações, papel comercial e fundos de investimento (não alternativos)", adianta o relatório.

A CMVM salienta que se assistiu "a um aumento das reclamações sobre ações e fundos de investimento e a uma redução significativa nas reclamações sobre obrigações".

O regulador acrescenta que a qualidade da informação prestada, quer pré como pós-contratual, "continua a ser o principal fundamento das reclamações recebidas", mas acrescenta, contudo, que houve um crescimento do número de reclamações sobre as comissões praticadas pelos intermediários financeiros, o serviço de custódia e execução de ordens.

Em 2017, as reclamações à CMVM tinham aumentado 24% face a 2016 para 1.384, e mais de metade (51%) referiam-se a obrigações.

ECR // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Governo diz que distribuição de combustível deverá ultrapassar serviços mínimos

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, garantiu hoje que a situação de distribuição de combustível está "na normalidade", devendo os serviços mínimos ser ultrapassados hoje, quarto dia de cumprimento da greve dos motoristas de matérias perigosas.

Antram defende que incumprir serviços mínimos e requisição civil prejudica a economia

O porta-voz da associação das empresas de transportes de mercadorias (Antram) considerou que o apelo esta quarta-feira lançado pelo sindicato dos motoristas de matérias perigosas para que ninguém trabalhe vai prejudicar gravemente a economia.

Greve dos motoristas está a causar prejuízos de dezenas de milhares de euros por dia para empresas

O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, disse esta terça-feira que as empresas de transporte de combustíveis estão a ter prejuízo de dezenas de milhares de euros por cada dia de greve.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.