Info

Convite a construtoras feito por Hospital de São João do Porto "levanta dúvidas"

Convite a construtoras feito por Hospital de São João do Porto "levanta dúvidas"
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Associação Pediátrica Oncológica do Hospital São João (APOHSJ), no Porto, considerou esta quinta-feira que a decisão de convidar 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica “levanta sérias dúvidas” e pede “celeridade” do processo.

Numa carta enviada à administração do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), a associação fala em “estranheza” pela “adoção de um pré-procedimento” que, do ponto de vista da associação, “carece de enquadramento legal”.

“Os procedimentos de ajuste direto não incluem qualquer fase prévia de análise de candidaturas e só podem – e devem – ser feitos com convite a uma única entidade. Qual, portanto, o enquadramento legal ou regulamentar para o procedimento ‘ad hoc’ de apresentação de candidaturas anunciado?”, questiona a APOHSJ na carta.

Na sexta-feira, o CHUSJ anunciou, em comunicado, que convidou 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica, descrevendo a obra como de “especial complexidade técnica” e apontando o seu início para ainda este ano.

Mas, para a APOHSJ, este anúncio “levanta sérias dúvidas” sobre “se efetivamente estão a ser tomados os cuidados necessários a que o procedimento de contratação da empreitada seja conduzido com a necessária e recomendada celeridade”, conforme se lê na carta dirigida à administração do hospital.

A associação criada por pais de crianças com doença oncológica tratadas no São João faz duas questões ao CHUSJ: “como escolherá a única entidade que convidará a apresentar proposta?” e “julga-se que não haverá reação das restantes que, interessadas no projeto e tendo apresentado candidatura, não forem escolhidas para o ajuste direto?”.

“Em terceiro lugar, tem esta associação que notar que se o CHUSJ tiver tantas manifestações de interesse que o levem a conduzir outro procedimento pré-contratual [em vez de um ajuste direto] o benefício da celeridade – absolutamente essencial à rápida execução das obras de construção da Ala Pediátrica – ficará destruído se se convidarem mais entidades a apresentar proposta do que o que é legalmente permitido no caso do ajuste direto”, termina a carta.

Antes, a associação recorda que foi a Assembleia da República quem deu permissão para a utilização de um ajuste direto com o argumento de que este método culminaria na “realização com urgência de um procedimento de contratação pública célere”.

Sobre o convite do CHUSJ, sabe-se que as 14 empresas convidadas foram identificadas pelo grupo de trabalho presidido pelo presidente da Ordem dos Engenheiros/Norte, Poças Martins.

“A coordenação deste grupo por um representante da Ordem dos Engenheiros pretende assegurar a total transparência do processo, bem como o rigor nas decisões técnicas”, descrevia o comunicado da semana passada do São João, acrescentando que o protejo de arquitetura da ala pediátrica está "em fase de revisão técnica, limitando eventuais erros ou omissões, de acordo com as exigências legais em vigor".

O CHUSJ referia ainda que o processo de construção da ala pediátrica "está a decorrer sem atrasos, prevendo-se o início da obra no decorrer do ano de 2019".

+ notícias: Norte

Piscina Municpal de Leça da Palmeira não tem rampas de acesso para utentes com mobilidade reduzida ou carrinhos de bebé

A piscina da Quinta da Conceição, em Leça da Palmeira, não tem rampas de acesso para utentes com mobilidade reduzida ou carrinhos de bebé. O equipamento balnear projetado pelo arquiteto Siza Vieira reabriu este verão após obras de requalificação.

Colisão rodoviária em Lousada faz cinco feridos. Um deles grave

Uma colisão entre dois veículos ligeiros de passageiros provocou cinco feridos, um deles em estado grave, na tarde deste sábado, na freguesia de Torno, junto à Casa de Juste, em Lousada, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Explosão de gás e incêndio obriga a retirar 28 idosos de lar na Feira

Uma explosão de gás num lar da terceira idade em Santa Maria da Feira, seguida de incêndio, obrigou este sábado à retirada dos 28 idosos que ali se encontravam, não havendo registo de feridos, apurou o Porto Canal junto das autoridades e disse o presidente da Câmara à Lusa.

Atualizado 20-07-2019 14:41

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS