Info

Empresas vão pagar 140 ME por ano pela aplicação do regulamento de proteção dados

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 mai 2019 (Lusa) - A aplicação do Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGDP) ao tecido económico nacional vai custar 140 milhões de euros por ano, segundo um estudo preliminar divulgado hoje pelo Governo.

"O impacto sobre as empresas da aplicação do regulamento é elevado", afirmou o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, numa conferência em Lisboa intitulada "A Lei Portuguesa da Proteção de Dados".

Baseando-se no relatório preliminar de um estudo de "avaliação 'ex-post'", que examina o impacto do regulamento num período definido após a sua conclusão, com base em inquéritos às empresas, o governante calculou que a aplicação das exigências reforçadas do RGDP vá custar 140 milhões de euros por ano ao tecido económico nacional.

Tiago Antunes defendeu que este custo tem de "ter uma razoabilidade na forma como reverte para a economia" e reafirmou a importância de a lei, que está a ser feita pelo parlamento, "moderar" a aplicação nacional do regulamento.

"O regulamento foi feito a pensar nas grandes multinacionais. Para Portugal muitas das soluções são exageradas. Procuramos algum equilíbrio, moderando na proposta [de lei] alguns excessos", acrescentou Tiago Antunes.

Entre os excessos do regulamento, o secretário de Estado enumerou as sanções até 20 milhões de euros, ou 4% do volume de negócios.

"Este valor pode justificar-se para uma Google, mas o efeito desta coima no nosso tecido empresarial ou no setor público seria enorme", salientou, lembrando que são milhares as juntas de freguesia que, segundo regulamento, teriam de ter um encarregado de proteção de dados e sujeitar-se àquelas sanções.

O RGDP está em aplicação em toda a União Europeia desde 25 de maio do ano passado, mas em Portugal -- tal como na Grécia - aguarda ainda a sua execução por lei nacional que o parlamento ainda não aprovou.

VP // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Número de desempregados inscritos no IEFP atinge em maio valor mais baixo de 28 anos

O número de desempregados inscritos no IEFP foi em maio de 305.200, valor mais baixo em 28 anos, descendo 12,9% face ao período homólogo, refere esta quarta-feira o Instituto do Emprego e Formação Profissional.

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.