Info

Sindicato do Sul e Ilhas apoia plano de remunerações faseadas proposto pelo BCP

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 mai 2019 (Lusa) - O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) vai manifestar-se hoje na assembleia-geral do BCP a favor do plano de devolução faseada dos salários cortados entre 2014 e 2017, disse o seu presidente à Lusa.

"O nosso motivo para lá estar é sensibilizar os acionistas para que seja aprovado o plano que vai ser apresentado pela comissão executiva [do banco], no sentido dos trabalhadores que tiveram retenções salariais serem recompensados por essas perdas", disse o presidente do SBSI, Rui Riso, à Lusa.

O ponto dois da assembleia-geral do BCP é relativo à distribuição de lucros pelos acionistas e devolução de parte dos cortes salariais que os trabalhadores sofreram entre 2014 e 2017, que o banco propõe que seja feito de forma faseada.

"Aquilo que está em discussão é ser ou não aprovado este plano, e defendermos outra coisa que não o que vai à discussão é inviabilizarmos que os trabalhadores comecem desde já a receber as compensações", salienta Rui Riso.

"Defender uma coisa que não vai à assembleia-geral é adiar esta decisão não sabemos para quando", reforçou o responsável, lembrando que os acionistas "também estiveram sem receber dividendos".

Na terça-feira, fonte do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) indicou à Lusa que a estrutura se vai abster no ponto dois, "num claro sinal de discórdia" face à devolução faseada e não por inteiro.

O presidente do SBSI, que também é deputado do PS, considerou que "a normalidade salarial foi recuperada em 2017, seis meses antes do que estava previsto", e disse que "também estava previsto no acordo" de 2014 a existência de "uma compensação aos trabalhadores que tiveram ordenados reduzidos".

O SBSI não tem representação acionista na assembleia-geral do BCP, e por isso não poderá votar.

Em 09 de maio, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do primeiro trimestre, o presidente executivo do banco, Miguel Maya, disse que a proposta de compensação aos trabalhadores é "mais generosa" do que a proposta de dividendos aos acionistas.

"Na proposta de dividendo aos acionistas 'versus' a proposta de compensação aos trabalhadores, é mais generosa a compensação aos trabalhadores", disse Maya, justificando que aos acionistas a administração está a propor a distribuição de cerca de 30 milhões de euros, o que é um dividendo correspondente a cerca de 10% do resultado de 2018 (uma vez que foram de cerca de 300 milhões de euros), enquanto para os trabalhadores está a propor 12,6 milhões de euros.

O valor a distribuir aos funcionários é equivalente a um terço do valor total a devolver e, se for aprovado, será pago com os salários de junho. Será a comissão executiva a decidir o valor concreto a pagar a cada funcionário.

Esta reunião magna será ainda marcada por uma manifestação de bancários, organizada por Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), Sindicato Independente da Banca (SIB) e Sindicato dos Bancários do Norte (SBN).

Em causa está aquilo que dizem ser a "estagnação" dos salários no BCP e o impasse nas negociações relativas à revisão do Acordo Coletivo de Trabalho do banco.

O BCP tinha 7.262 trabalhadores em Portugal no final de março.

O grupo chinês Fosun é o maior acionista do banco, com cerca de 27% do capital social, seguindo-se a petrolífera angolana Sonangol com 19%. O fundo de investimento Blackrock tinha, em final de 2018, cerca de 2,8% e o grupo EDP 2,11%.

A assembleia-geral realiza-se às 14h30, no Tagus Park, em Oeiras (distrito de Lisboa).

JE (IM) // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Economia

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.