Info

Presidente da ENGIE admite negociações "há muito tempo" sobre parceria com EDP

| Economia
Porto Canal com Lusa

Londres, 21 mai 2019 (Lusa) - A 'joint-venture' com a EDP para o segmento da energia eólica 'offshore' está a ser negociada "há muito tempo", afirmou a presidente executiva da francesa ENGIE, durante a apresentação do memorando de entendimento, em Londres.

"Confirmo que é algo em que temos estado a trabalhar há muito tempo. Foi posta na mesa de forma natural. As nossas equipas trabalham juntas nos projetos que temos. A certa altura, é natural do ponto de vista estratégico e porque a dinâmica é boa entre pessoas ao nível do projeto", referiu, em resposta aos jornalistas.

A EDP e a ENGIE anunciaram hoje em Londres a assinatura de um memorando de entendimento estratégico para criar uma 'joint-venture', controlada em partes iguais, no segmento eólico 'offshore' (em alto-mar), fixo e flutuante.

A 'joint-venture' surge cerca de um ano depois de a imprensa francesa noticiar que a ENGIE estaria interessada na aquisição da EDP, adiantando existir contactos entre os dois grupos.

Na altura, em abril de 2018, o presidente executivo da EDP, António Mexia, disse à agência Lusa que as notícias sobre negociações com a ENGIE eram "histórias" e "realidade virtual", garantindo que "não existe nada" e que "a EDP controla o seu próprio destino".

Cerca de um mês depois, a principal acionista da elétrica portuguesa, a China Three Gorges, anunciava a intenção de lançar uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP (e a EDP Renováveis - EDPR), que chegou ao fim no passado dia 24 de abril, na assembleia-geral de acionistas.

Hoje, o presidente executivo da EDP, António Mexia, vincou que este entendimento foi "aprovado pelos acionistas de referência, porque é um passo natural".

"O facto de estarmos aqui hoje é porque só fomos capazes de finalizar detalhes recentemente", afirmou, referindo que existe "ainda algum trabalho por fazer".

As duas empresas pretendem ter a 'joint-venture', cujo nome não foi relevado, até ao final do ano, tendo escolhido Madrid para instalar a sede, cidade onde já está sediada a EDPR, a subsidiária da EDP para as energias renováveis.

O presidente executivo será Spyridon Martinis, atual membro da Comissão Executiva da EDPR, enquanto que o 'chief operating officer' será Greg Gorski e o presidente do Conselho de Administração Paulo Almirante, ambos da ENGIE.

Após um mandato de três anos, os papéis revertem-se e será a empresa francesa a indicar o presidente executivo da 'joint-venture'.

BM // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.