Info

Mexia quer 'joint-venture' da EDP para 'offshore' no top 3 mundial em 2025

| Economia
Porto Canal com Lusa

Londres, 21 mai 2019 (Lusa) - A EDP quer estar entre as três maiores empresas do segmento da energia 'offshore' a nível mundial nos próximos seis anos graças à criação da 'joint-venture' com a francesa ENGIE, afirmou hoje o presidente executivo, António Mexia.

"O nosso objetivo é no 'offshore', ou seja, vento no mar, conseguirmos através desta parceria estar no top 3 até 2025. Se juntarmos o que já temos hoje, seríamos o quarto maior do mundo neste segmento", disse à agência Lusa em Londres.

Foi na capital britânica que a EDP e a Engie anunciaram hoje a assinatura de um memorando de entendimento para criar uma 'joint-venture', controlada em partes iguais, no segmento eólico 'offshore', fixo e flutuante.

Mexia disse que esta foi uma decisão natural, tendo em conta que as duas empresas, no caso da EDP através da subsidiária EDPR (EDP Renováveis), já são parceiras em projetos de energia eólica 'offshore' em Portugal, no Reino Unido e em França.

"Com isto, juntamos a visão, juntamos as pessoas, meios e conseguimos abordar um mercado muito concentrado, muito competitivo, em que a escala típica é 50 vezes maior do que é um projeto em terra", acrescentou.

A complexidade dos projetos desenvolvidos no mar, a necessidade de um maior investimento e tecnologia reduzem o número de concorrentes, mas também exige escala.

Cada projeto com capacidade para produção de mil megawatts implica um investimento de dois a três mil milhões de euros.

"Com isto, conseguimos minimizar riscos, atuar em mais sítios ao mesmo tempo, agarrar mais oportunidades, e criar mais valor para os nossos acionistas, permite-nos ir mais depressa", vincou o presidente da EDP.

BM // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.