Info

Águeda: Alegado líder de rede de pedofilia confessa maioria dos crimes em tribunal

Águeda: Alegado líder de rede de pedofilia confessa maioria dos crimes em tribunal
| Norte
Porto Canal com Lusa

O homem acusado de 583 crimes de abuso sexual de crianças e de liderar, a partir de Águeda, uma alegada rede internacional de pedofilia assumiu hoje em tribunal a maioria dos crimes, mas negou qualquer proveito financeiro.

O arguido, que está ainda acusado de 73.577 crimes de pornografia infantil, começou a ser julgado hoje de manhã no Tribunal Central Criminal de Lisboa, num julgamento que decorre à porta fechada.

Fonte judicial explicou à agência Lusa que a decisão de realizar este julgamento sem a presença de público se deve à natureza do crime e ao facto de envolver crianças.

A acusação do Ministério Público (MP), do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, a que a Lusa teve acesso, diz que o principal arguido abusou sexualmente de oito menores, sete deles seus familiares (dois sobrinhos e cinco primos), alguns bebés, com o conhecimento dos pais e de duas primas, quatro dos outros arguidos no processo.

Um sexto arguido, um informático do concelho de Sintra, está acusado de 623 crimes de abuso sexual de crianças e outros tantos de pornografia de menores, 548 dos quais cometidos sobre o enteado de 5 anos e 75 sobre a filha bebé, ainda com meses.

No final da sessão, em declarações à Lusa, fonte judicial referiu que o principal arguido confessou a maioria dos crimes que consta na acusação do Ministério Público (MP), mas negou outros, nomeadamente que tivesse obtido algum benefício financeiro com a divulgação das fotografias e dos vídeos.

A mesma fonte adiantou que este arguido foi o único dos seis a manifestar intenção de prestar declarações em julgamento.

A próxima sessão realiza-se na terça-feira com o início da inquirição das testemunhas que constam do rol da acusação.

+ notícias: Norte

Cortes na circulação devido ao Túnel do Bolhão deixa comerciantes preocupados

Arrancaram, esta terça-feira, as obras do novo túnel do Bolhão, no Porto. Durante os próximos cinco meses não vão circular carros nem peões entre a Rua Formosa e a Rua Alexandre Braga e os comerciantes daquela zona estão preocupados com os prejuízos que a construção possa causar.

Dois meses depois, instituição 'Kastelo' continua sem camas novas

O Governo vai abrir mais 449 camas para cuidados continuados até ao final do ano mas não incluem a única associação de cuidados continuados destinados a crianças na Península Ibérica. Há dois meses a Ministra da Saúde comprometeu-se a aumentar a capacidade da instituição 'Kastelo', situada em Matosinhos, mas não há sinais de alargamento apesar da lista de espera e dos quartos vazios.

Norte vai ter mais 151 camas para cuidados continuados até ao fim do ano

O Governo vai reavaliar o modelo e o financiamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. A região do Norte vai ter assim até ao fim do ano mais 151 camas das 446 previstas. 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.