Info

Pessoas cegas já vão poder votar nas próximas eleições através de voto em braille

| País
Porto Canal com Lusa

As pessoas cegas vão poder votar nas próximas eleições europeias de forma autónoma, segura e secreta através dos boletins em braille que vão estar disponíveis em todas as mesas de voto, “um passo extremamente importante”, na opinião da ACAPO.

Atualizado 18-05-2019 11:51

O Governo fez hoje uma demonstração do voto em braille, mas também do voto eletrónico, um projeto-piloto que vai ser testado nas próximas eleições no distrito de Évora, mas que não será ainda alargado a todo o país.

O presidente da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), presente na demonstração e que também testou as duas opções, salientou que se trata de “um passo extremamente importante” para as pessoas cegas, mesmo que pareça algo simples para a maioria das pessoas.

“É algo que nunca aconteceu no nosso país, possibilitar pela primeira vez que as pessoas com deficiência visual possam votar autonomamente, possam ter a certeza de que votam no partido ou na coligação que desejam”, destacou Tomé Coelho.

O dirigente lembrou que até agora as pessoas cegas precisavam e dependiam de uma pessoa que as acompanhasse e votasse por si ao selecionar no boletim de voto o partido escolhido, o que lhes retirava a certeza absoluta de estarem a votar em quem queriam.

Para Tomé Coelho, a existência de um boletim de voto em braille dá às pessoas cegas “condições de igualdade no exercício do seu direito e no cumprimento de dever de votar".

Depois de ter testado as duas opções, o presidente da ACAPO foi claro ao defender que a melhor opção seria o voto eletrónico, apontando que a associação irá lutar para que este sistema de voto seja estendido a todo o país, já que se trata de um sistema que não permite apenas aos cegos votar, mas também a qualquer cidadão, com deficiência ou não.

A secretária de Estado da Administração Interna esclareceu que o voto eletrónico é uma ainda apenas uma experiência piloto, cujo resultado será apresentado à Assembleia da República em relatório, e cujo possível alargamento a todo o país ficará para uma próxima legislatura.

Isabel Oneto adiantou que o voto eletrónico vai estar disponível em 50 mesas de voto distribuídas pelos 14 concelhos do distrito de Évora, a par das mesas tradicionais, ficando ao critério do eleitor como quer votar.

“O voto eletrónico em Évora tem a vantagem de qualquer cidadão do distrito de Évora poder votar numa qualquer mesa em qualquer concelho”, adiantou, revelando que no sábado haverá um ensaio geral para o qual foi convidada a população para se familiarizar com o sistema.

A secretária de Estado assegurou que está acautelado que cada cidadão só pode votar uma vez porque “seja na mesa tradicional, seja na mesa eletrónica, o voto é imediatamente descarregado no caderno eleitoral”.

Relativamente ao funcionamento do voto em braille, a secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência explicou que quando a pessoa cega se dirigir à sua mesa de voto, ser-lhe-á entregue uma matriz que já tem um boletim de voto no interior, e graças à qual a pessoa consegue identificar os partidos e assinalar a cruz num quadrado recortado, sendo que cada partido corresponde a um número.

Antes de votar é entregue uma folha explicativa onde é feita a correspondência entre o número da candidatura e o respetivo partido para que depois a pessoa identifique facilmente na matriz o número que quer assinalar.

“Uma vez feito o voto, a pessoa tira o boletim do interior da matriz, dobra-o em quatro. Tem uma linha guia colocada na parte branca para saber que é aquela parte que tem de ficar para fora no momento que dobrar o voto em quatro”, explicou Ana Sofia Antunes.

No caso do voto eletrónico, a máquina funciona de forma tátil, através de um sistema de voz e com recurso a auriculares. Está ligada a uma impressora que, no final do processo, imprime o voto em papel para depois ser colocado na urna.

+ notícias: País

Ministra da Saúde diz que "está feita" recuperação das greves cirúrgicas

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou esta quarta-feira que "está feita" a recuperação das duas greves cirúrgicas que levou ao cancelamento de milhares de cirurgias.

Jovem de 22 anos encontrado morto numa garagem em Mangualde

Um jovem de 22 anos foi esta quarta-feira de madrugada encontrado morto debaixo de uma viatura, dentro de uma garagem, em Abrunhosa do Mato, no concelho de Mangualde, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

FENPROF manifestou-se frente ao Parlamento contra a precariedade no Ensino Superior

O secretário geral da FENPROF considera inadmissível que ainda existam docentes do Ensino Superior sem saber se vão ter progressão nas carreiras. O sindicato manifestou-se em frente ao Parlamento contra a precariedade no Ensino Superior.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.