Info

FMI descarta riscos eleitoralistas e dá exemplo de votação final sobre professores

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 mai 2019 (Lusa) -- O chefe da missão do FMI para Portugal desvaloriza riscos eleitoralistas com a aproximação das legislativas e destaca o consenso de que é preciso uma gestão responsável das contas públicas, dando o recente exemplo da carreira dos professores.

"Tivemos a impressão ao falar com pessoas de vários setores da economia portuguesa que existe agora a expectativa de que uma responsável gestão das finanças públicas é uma necessidade", afirmou hoje Alfredo Cuevas, em entrevista à agência Lusa, em Lisboa.

Questionado sobre se considera que, com a aproximação das eleições legislativas, em outubro, existe o risco de tentações eleitoralistas colocarem em risco o caminho de Portugal nos últimos anos, ao nível da consolidação das contas públicas, o economista respondeu que não.

"Não vejo que exista esse risco", afirmou, apesar de indicar que, "naturalmente, existem grupos que gostariam que alguns recursos fossem na sua direção".

"Mas creio que o consenso na maioria da sociedade é que é preciso fazer o que é necessário tendo em conta um envelope orçamental. Temos exemplo disso em torno do reconhecimento do tempo de serviço dos professores", recordou Alfredo Cuevas.

Recorde-se que PSD, PS, CDS-PP reprovaram, no dia 10, em votação final global na Assembleia da República, o texto proveniente da Comissão Parlamentar de Educação para a reposição integral do tempo de serviço dos professores, que teve o apoio do BE, PCP e PEV.

Na semana anterior, em Comissão Parlamentar de Educação, sempre com os votos contra dos deputados socialistas, PSD, CDS, PCP e BE tinham aprovado uma série de alterações ao decreto do Governo, estabelecendo o princípio de que os professores teriam direito à recuperação da totalidade do tempo de serviço.

Na sequência daquele passo do parlamento, o primeiro-ministro fez uma comunicação ao país, anunciando que se demitiria do cargo caso o diploma fosse aprovado em votação global por considerá-lo "injusto socialmente" e "insustentável do ponto de vista financeiro".

O FMI considerou hoje que a previsão do Governo de um défice de 0,2% do PIB este ano é possível, apesar da injeção superior ao previsto no Novo Banco, antecipando um défice nulo em 2020, mas indicou que um maior esforço orçamental iria reforçar a resiliência da economia.

No comunicado divulgado hoje, no final da missão ao abrigo do Artigo IV, o Fundo também apelou à revisão das carreiras da Função Pública, ao aumento do investimento público e da produtividade.

ECR // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Setor têxtil prevê fecho de duas mil empresas e perda de 28 mil postos de trabalho até 2025

O novo plano estratégico para o têxtil diz que o setor poderá perder duas mil empresas e 28 mil postos de trabalho. Apesar disso a associação dos empresários deste setor considera que não existem razões para alarmismos.

Alojamento local deve gerar impacto económico de 432 milhões de euros este ano em Portugal

A estadia em alojamento local deverá ter este ano em Portugal um impacto económico de 432 milhões de euros, segundo estimativas de um estudo hoje divulgado sobre o perfil do viajante português.

Portugal gasta quase metade do orçamento para saúde em ambulatório

Portugal gasta quase metade do seu orçamento para a saúde em cuidados de ambulatório e as despesas diretas das famílias são mais altas, em geral, do que a média europeia, segundo um relatório que é apresentado na quinta-feira em Lisboa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Atitudo - Artes Marciais &...

Nota Alta

"A cidade do Porto está com um...

N'Agenda

"Gosto de estar a par do rap que...