Info

Miguel Guimarães diz que os dados das listas de espera são "desastrosos" e envergonham o país

Miguel Guimarães diz que os dados das listas de espera são "desastrosos" e envergonham o país
| País
Porto Canal com Lusa

A Ordem dos Médicos (OM) classifica como "desastrosos" os dados que apontam para um agravamento do incumprimento dos tempos de espera em consultas e cirurgias, indicando que a situação deve “envergonhar” o país.

A OM desafia ainda o Ministério da Saúde a divulgar a estratégia ou o “plano de ação” para as listas de espera que tem anunciado, “mas que nunca precisou como tenciona executar”.

Num comunicado hoje divulgado, a Ordem comentou os dados da Entidade Reguladora da Saúde publicados na terça-feira e que mostram que as cirurgias que ultrapassaram o tempo de espera clinicamente aceitável duplicaram nos primeiros cinco meses de 2018, quando comparadas com o final de 2017, por exemplo.

“Estes resultados são desastrosos e devem envergonhar-nos enquanto país que ficou conhecido por ter um dos melhores serviços de saúde do mundo. Podíamos dizer que o SNS responde nos casos mais urgentes, como sugeriu a ministra da Saúde. Mas infelizmente já nem isso é totalmente verdade”, escreve o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, na nota.

A OM refere-se nomeadamente a áreas “mais sensíveis, como a oncologia”, em que considera que “os números são desoladoras”, já que quase 20% das cirurgias a doentes com cancro foram feitas além dos tempos de resposta clinicamente aceitáveis, sendo que é nas cirurgias oncológicas “muito prioritárias” que a percentagem de incumprimento dos tempos de resposta é maior.

“Não é mais possível continuarmos a compactuar com uma política de saúde que todos os dias contribui para enfraquecer o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e para colocar doentes e profissionais de saúde em situações de verdadeiro desespero”.

Numa reação aos dados da Entidade Reguladora da Saúde, o Ministério da Saúde garantiu na terça-feira que está em curso um “plano de ação” para melhorar o acesso a cirurgias e consultas nos hospitais, sobretudo para as especialidades com mais doentes à espera e com tempos de espera superiores.

Em resposta à agência Lusa, o Ministério indicou que o plano de ação “pretende que os hospitais tomem medidas concretas que permitam resolver todas as situações em que o tempo médio de espera seja superior a um ano até ao final de 2019”.

“As medidas vão incidir sobre as sete especialidades que, no final de 2018, tinham o maior volume de utentes à espera, os maiores tempos de espera e as maiores percentagens de resposta para além dos tempos máximos de resposta garantidos”, referiu o gabinete da ministra da Saúde numa resposta escrita enviada à Lusa.

O Ministério salientou ainda que os dados de monitorização divulgados pela Entidade Reguladora da Saúde são “parcelares” e que compreendem o período entre janeiro e maio de 2018.

Segundo esses dados, os tempos de espera por cirurgias duplicaram nos primeiros meses do ano passado em comparação com dados de agosto a outubro de 2017. Os hospitais do Serviço Nacional de Saúde apresentaram taxas de incumprimento dos tempos de espera clinicamente aceitáveis de 18,5% nas cirurgias programadas e de 39% nas primeiras consultas de especialidade nos hospitais.

+ notícias: País

Dezassete elementos dos 'Hells Angels' detidos por suspeitas de associação criminosa

A Polícia Judiciária deteve esta terça-feira 17 pessoas em vários pontos do país do grupo 'Hells Angels' por suspeitas de associação criminosa e o seu primeiro interrogatório judicial decorrerá na quarta-feira no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Associações de militares, GNR e polícia marítima contra diploma de carreiras especiais

Associações profissionais de militares, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Marítima criticaram esta terça-feira o decreto-lei sobre as carreiras especiais publicado na segunda-feira, que consideram injusto por não corrigir as consequências do tempo de serviço congelado.

Região Centro regista aumento de sofisticação nos crimes de violência doméstica

Os casos de violência doméstica que têm chegado ao Gabinete de Apoio à Vítima de Coimbra não têm aumentado ao longo dos anos, mas regista-se um incremento ao nível de sofisticação por parte dos agressores e no recurso às redes sociais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.