Info

Combustíveis: Governo espera que acordo entre motoristas e patrões seja cumprido

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 mai 2019 (Lusa) - O Governo está a acompanhar o conflito entre os motoristas de transporte de matérias perigosas e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), e espera que o acordo assinado entre as duas partes "possa ser cumprido".

"O Governo tem estado a acompanhar muito proximamente esse conflito, através do senhor ministro das Infraestruturas e, portanto, os contactos têm sido regulares quer com a ANTRAM, quer com o sindicato", afirmou a ministra da Presidência e Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, em Lisboa.

Na quarta-feira, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) marcou uma nova greve com efeitos a partir do dia 23 de maio, que, segundo o vice-presidente daquela estrutura sindica, Pedro Pardal Henriques, se manterá "até que se resolva a situação".

O sindicalista considera que a ANTRAM violou "os princípios da boa fé negocial", acrescentando que a estrutura sindical não vai conceder mais tempo aos patrões.

Na terça-feira, após uma ronda negocial, a ANTRAM tinha anunciado que a associação patronal e o sindicato tinham acordado um pacto de paz social pelo prazo de 30 dias.

Falando aos jornalistas durante a conferência de imprensa que decorreu no final da reunião do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva indicou que o executivo espera "poder contribuir para que o acordo assinado possa ser cumprido, num processo negocial que possa terminar bem".

Apontando que "os contactos têm sido permanentes" entre o Governo, o sindicato e a ANTRAM, a ministra referiu, porém, não ter informação "sobre se há alguma reunião agendada, ou não".

Questionada hoje pela Lusa, fonte oficial do Ministério das Infraestruturas e da Habitação já tinha assegurado que o "Governo está em contacto" com as partes envolvidas na negociação, destacando que o executivo "continuará os esforços para que as partes se entendam e a greve seja desconvocada".

Na quarta-feira, a ANTRAM considerou que o sindicato dos motoristas de matérias perigosas teve uma "clara mudança de postura", após ter apresentado uma contraproposta de 700 euros de salário base, inferior aos 1.200 reivindicados inicialmente por estes trabalhadores.

Num comunicado divulgado na quarta-feira à noite, ANTRAM diz que "não teve o intuito de obstaculizar ou prejudicar as negociações que estão a decorrer com este sindicato num clima de boa-fé negocial".

"A ANTRAM apenas voltará a comunicar sobre a proposta que lhe foi apresentada, de forma presencial, aos seus associados, nas reuniões que irão decorrer já na próxima semana, bem como ao SNMMP [Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas] nas reuniões que vierem a ter lugar posteriormente", adianta.

O caderno reivindicativo dos motoristas inclui, além de uma remuneração base de 1.200 euros, um subsídio de 240 euros e a redução da idade de reforma.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas foi criado no final de 2018 e tornou-se conhecido com a greve iniciada no dia 15 de abril, que levou o Governo a decretar uma requisição civil e, posteriormente, a convidar as partes a sentarem-se à mesa de negociações.

A arbitragem do executivo fez com que representantes sindicais e empresariais chegassem a acordo, no dia 18, definindo um calendário para o início das negociações, sendo a paralisação desconvocada de imediato.

FM (APN/DD/DF/PE) // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Autarca de Barcelos retoma funções e gere município a partir de casa

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes (PS), vai "de imediato" retomar funções, assegurando a governabilidade do município "a partir de casa", disse esta quarta-feira o advogado do autarca à Lusa.

Que temas e propostas vão apresentar em Bruxelas os eurodeputados eleitos pelo Norte?

Já não falta muito para os novos eurodeputados tomarem posse. O Porto Canal foi perceber junto dos que foram eleitos pelo Norte, quais as ideias sobre a região que vão defender em Bruxelas.

Ministro da Economia não explica a existência de tantas sedes 'fantasmas' a Norte

Continua por esclarecer o porquê da existência de tantas sedes fantasma que estão sediadas a Norte, mas na realidade as administrações e a maioria dos trabalhadores estão na Capital. O Ministro da Economia foi questionado sobre o assunto pelo Porto Canal mas a resposta não foi clara.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...