Info

Capital da Guiné Equatorial no Banif foi "joia de entrada" na CPLP - Paulo Morais

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 21 fev (Lusa) - O vice-presidente da associação portuguesa Transparência e Integridade afirmou hoje que o investimento da Guiné Equatorial no Banif constituiu "a joia de entrada" do país na CPLP e lamentou a recomendação da adesão do país à comunidade lusófona.

"Dá-me ideia que a entrada da Guiné Equatorial no capital do Banif (...) é capaz de constituir a joia de entrada na CPLP", disse Paulo Morais, lamentando a decisão dos ministros dos Negócios Estrangeiros da comunidade lusófona anunciada na quinta-feira.

A cimeira extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) recomendou na quinta-feira em Maputo a adesão da Guiné Equatorial à organização.

Em reação a essa decisão, Paulo Morais considerou "lamentável que uma organização como a CPLP, "que nasceu sem meios, (...) genuinamente juntando um antigo colonizador com países que foram ganhando a sua liberdade", venha a acolher "um regime ditatorial onde o desrespeito pelos direitos humanos é permanente e onde se cometem atrocidades".

"Dá ideia que não é a Guiné Equatorial que adere à CPLP, é mais a CPLP que adere aos métodos da Guiné Equatorial e isso é lamentável", disse.

Para o responsável da associação anticorrupção, "não há qualquer razão decente" para a adesão da Guine Equatorial à CPLP.

"Não há razões culturais, não há razões linguísticas, não há relações económicas, e muito menos ao nível daquelas que devem ser as primeiras razões da existência deste tipo de organizações, que é a defesa do desenvolvimento, a qualidade de vida das populações, os direitos humanos", afirmou.

O único motivo para esta adesão, argumentou, é "fazer da CPLP um centro de negócios para [o presidente angolano], José Eduardo dos Santos".

"Os únicos beneficiários desta adesão serão seguramente os grandes negociantes de petróleo. Passa a haver aqui uma grande ligação entre a Guiné Equatorial e Angola ao nível do mercado energético e isso está longe de ser positivo. É negativo", sublinhou.

Para Paulo Morais, os restantes países da CPLP aprovam a adesão, "uns porque têm interesses de negócios com Angola, como é o caso do Brasil, outros não se chega a perceber nem porquê".

Em relação a Portugal, o país que durante mais tempo se opôs à adesão da Guiné Equatorial, Paulo Morais diz estar "numa situação algo estranha", com a entrada da Guiné Equatorial no capital do Banif, um banco presidido por um ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Partido Socialista, Luís Amado, com o aval do governo PSD-CDS/PP.

"Os partidos do arco do poder em Portugal acabaram por, mais uma vez, ir fazer a vontade ao presidente angolano, José Eduardo dos Santos", lamentou.

O Banif revelou no início do mês que estabeleceu um memorando de entendimento com a República da Guiné Equatorial visando a colaboração entre as partes no setor bancário, que poderá levar à entrada de uma empresa daquele país africano no capital do banco num montante de cerca de 133,5 milhões de euros.

FPA // PJA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: China espera ter epidemia sob controlo no final de abril

A China espera ter o surto do cornavírus Covid-19 sob controlo no final de abril, disse hoje o chefe da equipa de médicos especialistas da Comissão Nacional de Saúde da China, o pneumologista Zhong Nanshan.

Covid-19: Portugueses no Norte de Itália relatam situações de pânico

Itália é o país europeu com maior número de infetados, sendo que onze pessoas já morreram. Os portugueses que vivem no Sul do país dizem não sentir os efeitos do vírus mas, a Norte falam em situações de pânico e muitas restrições.

Automóvel atropela desfile de Carnaval na Alemanha, vários feridos

Um automóvel avançou hoje sobre um desfile de Carnaval em Volkmarsen, no centro da Alemanha, fazendo vários feridos, segundo a polícia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.