Info

Capital da Guiné Equatorial no Banif foi "joia de entrada" na CPLP - Paulo Morais

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 21 fev (Lusa) - O vice-presidente da associação portuguesa Transparência e Integridade afirmou hoje que o investimento da Guiné Equatorial no Banif constituiu "a joia de entrada" do país na CPLP e lamentou a recomendação da adesão do país à comunidade lusófona.

"Dá-me ideia que a entrada da Guiné Equatorial no capital do Banif (...) é capaz de constituir a joia de entrada na CPLP", disse Paulo Morais, lamentando a decisão dos ministros dos Negócios Estrangeiros da comunidade lusófona anunciada na quinta-feira.

A cimeira extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) recomendou na quinta-feira em Maputo a adesão da Guiné Equatorial à organização.

Em reação a essa decisão, Paulo Morais considerou "lamentável que uma organização como a CPLP, "que nasceu sem meios, (...) genuinamente juntando um antigo colonizador com países que foram ganhando a sua liberdade", venha a acolher "um regime ditatorial onde o desrespeito pelos direitos humanos é permanente e onde se cometem atrocidades".

"Dá ideia que não é a Guiné Equatorial que adere à CPLP, é mais a CPLP que adere aos métodos da Guiné Equatorial e isso é lamentável", disse.

Para o responsável da associação anticorrupção, "não há qualquer razão decente" para a adesão da Guine Equatorial à CPLP.

"Não há razões culturais, não há razões linguísticas, não há relações económicas, e muito menos ao nível daquelas que devem ser as primeiras razões da existência deste tipo de organizações, que é a defesa do desenvolvimento, a qualidade de vida das populações, os direitos humanos", afirmou.

O único motivo para esta adesão, argumentou, é "fazer da CPLP um centro de negócios para [o presidente angolano], José Eduardo dos Santos".

"Os únicos beneficiários desta adesão serão seguramente os grandes negociantes de petróleo. Passa a haver aqui uma grande ligação entre a Guiné Equatorial e Angola ao nível do mercado energético e isso está longe de ser positivo. É negativo", sublinhou.

Para Paulo Morais, os restantes países da CPLP aprovam a adesão, "uns porque têm interesses de negócios com Angola, como é o caso do Brasil, outros não se chega a perceber nem porquê".

Em relação a Portugal, o país que durante mais tempo se opôs à adesão da Guiné Equatorial, Paulo Morais diz estar "numa situação algo estranha", com a entrada da Guiné Equatorial no capital do Banif, um banco presidido por um ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Partido Socialista, Luís Amado, com o aval do governo PSD-CDS/PP.

"Os partidos do arco do poder em Portugal acabaram por, mais uma vez, ir fazer a vontade ao presidente angolano, José Eduardo dos Santos", lamentou.

O Banif revelou no início do mês que estabeleceu um memorando de entendimento com a República da Guiné Equatorial visando a colaboração entre as partes no setor bancário, que poderá levar à entrada de uma empresa daquele país africano no capital do banco num montante de cerca de 133,5 milhões de euros.

FPA // PJA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Papa condena fogos que devoram povos e culturas "para homogeneizar tudo e todos"

O Papa Francisco condenou hoje os fogos que "devoram povos e culturas" para "homogeneizar tudo e todos" ao referir-se à Amazónia, lembrando a colonização, e rejeitou a "ganância de novos colonialismos".

Quatro polícias mortos em ataque a sede da polícia de Paris

Quatro polícias foram mortos num ataque ocorrido hoje na sede da polícia de Paris, agredidos por um funcionário civil que foi abatido por um agente, noticiou a imprensa francesa.

Moçambique: Líder dissidente diz que votar no candidato da Renamo é voltar à guerra

Maputo, 14 out 2019 (Lusa) - O líder da autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Mariano Nhongo, apelou hoje ao eleitorado moçambicano para não votar no candidato do partido, Ossufo Momade, nas presidenciais, dizendo que seria abrir "espaço" para uma nova guerra no país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.