Info

ANTRAM e Fectrans iniciam novo processo negocial confiantes de que "há condições" para evoluir

| País
Porto Canal com Lusa

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) iniciaram esta sexta-feira um novo processo negocial confiantes de que “há condições para evoluir” no setor.

Atualizado 04-05-2019 12:50

Segundo José Manuel Oliveira, da Fectrans, que falava aos jornalistas no final da reunião com a ANTRAM, este foi o primeiro encontro para marcar o início de um novo processo negocial com vista à revisão de alguns aspetos contratuais relativos ao contrato coletivo de trabalho assinado em setembro.

“A partir de outubro entrarão em vigor novos valores salariais nas diversas rubricas remuneratórias. É nesse tempo que temos para trabalhar. Cremos que há condições para evoluir”, disse o sindicalista, escusando-se nesta altura a avançar quais serão os valores de atualização que irão propor à ANTRAM nas próximas reuniões.

“Atualmente existe uma tabela composta por quatro rubricas com valor mínimo garantido de 900 euros e é a partir daí que vamos trabalhar”, disse.

Os sindicatos chamaram, no entanto, à atenção para a necessidade de o Governo desempenhar a sua função de fiscalização, nomeadamente através da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).

“Não podemos admitir impunidade”, disse José Manuel Oliveira.

O presidente da ANTRAM, Gustavo Paulo Duarte, que também falou aos jornalistas, valorizou o processo negocial e sublinhou o caminho que o setor está a seguir de “melhorar as condições laborais”.

As reuniões entre as duas estruturas do setor passarão a ser quinzenais, estando a próxima agendada para dia 23 de maio.

Questionado sobre a ameaça de nova greve por parte do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SMMP), Gustavo Paulo Duarte lamentou que a greve esteja a ser utilizada “como forma de pressão” quando, no seu entender, deveria ser “o último reduto” quando a negociação falha.

Na terça-feira a ANTRAM irá reunir-se com o SMMP no ministério das Infraestruturas, mas avisou que a economia não está preparada para as reivindicações salariais do sindicato, que exige um salário base de 1.200 euros para o setor.

“Não existem motoristas de primeira e de segunda e estes motoristas têm já um subsídio de risco, de cerca de 150 euros por mês”, disse Gustavo Paulo Duarte.

“O que está a ser reivindicado nem na Alemanha é pago. Em Portugal não existe esta realidade”, disse.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) também se irá reunir com a ANTRAM a 13 de maio.

+ notícias: País

Incêndio numa casa de Santa Comba Dão provoca três feridos, um deles grave

Um ferido grave, dois feridos ligeiros e um assistido é o balanço de um incêndio registado esta segunda-feira numa casa em Santa Comba Dão, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

Chuva regressa ao país a partir desta segunda-feira

A chuva regressa a partir dsta segunda-feira a Portugal continental, mas com temperaturas que podem chegar aos 30 graus Celsius nas regiões do Alentejo, disse à Lusa a meteorologista Joana Sanches.

Autarquia de Viseu diz que solução encontrada para os doentes oncológicos não pode ser definitiva

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu vai receber um reforço de médicos de Coimbra e Vila Real, para que os doentes oncológicos não sejam deslocados. Uma solução que resolve o problema no imediato mas autarquia e doentes dizem que não pode ser definitiva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...